Cofre de sementes no Ártico – Bill Gates, Rockefeller e os gigantes dos transgênicos sabem de algo que não sabemos…

Olá amigos e alunos,
Estamos compartilhando o texto abaixo com o objetivo de conscientizá-los. Neste texto vocês verão como os Gigantes Mundiais do Agronegócio controlam a população do mundo através da manipulação das sementes. E seus planos para o futuro através dos organismos geneticamente modificados.
E, logo abaixo, divulgamos um vídeo que explica a história desses Gigantes do Agronegócio no Brasil e o mal que eles têm causado para a nossa população e para a Natureza ao longo dos últimos anos, agindo exatamente da mesma maneira que em outros países em desenvolvimento.
Em diversas oportunidades temos falado sobre a importância de se consumir alimentos orgânicos e adotar um estilo de vida o mais natural possível.

Boa leitura e fiquem na Paz.

– O COFRE DE SEMENTES no Ártico – Bill Gates, Rockefeller e os gigantes dos transgênicos (OGM) conhecem algo que não sabemos…

Uma coisa que o fundador da Microsoft Bill Gates não pode ser acusado é de preguiça. Ele já era um programador de computadores aos 14 anos, fundou a Microsoft aos 20 anos, enquanto ainda era um estudante em Harvard. Em 1995, ele havia sido listado pela revista Forbes como o homem mais rico do mundo e o maior acionista da Microsoft.
Em 2006, quando a maioria das pessoas poderia pensar em se aposentar e ir para uma ilha do Pacífico, Bill Gates decidiu dedicar as suas energias à sua Fundação Gates Bill e Melinda, a maior fundação privada ‘transparente’ do mundo, como ele diz, com gritantes $ 34,6 bilhões em doações e uma necessidade legal de gastar US $ 1,5 bilhão por ano em projetos de caridade em todo o mundo para manter o estatuto filantrópico para isenção de impostos. Com uma doação do amigo e sócio, o megainvestidor Warren Buffett, em 2006, cerca de US $ 30 bilhões de ações de Buffet Berkshire Hathaway colocaram a fundação de Gates no ranking onde ele gasta quase o valor de todo o orçamento anual da Organização Mundial de Saúde.
Por isso, quando Bill Gates decide utilizar a Fundação Gates para investir US $ 30 milhões de seu suado dinheiro em um projeto, vale a pena verificar.
Nenhum projeto é mais interessante no momento do que um projeto curioso em um dos cantos mais remotos do mundo, Svalbard. Bill Gates está investindo milhões de dólares em um banco de sementes no Mar Barents perto do Oceano Ártico, cerca de 1.100 quilômetros do Pólo Norte. Svalbard é um árido pedaço de rocha reclamado pela Noruega e cedido em 1925 por um tratado internacional.
Nesta ilha esquecida, Bill Gates está investindo dezenas de seus milhões juntamente com a Fundação Rockefeller, a Monsanto Corporation, a Fundação Syngenta e o governo da Noruega, entre outros, no que é chamado de “banco de sementes do fim do mundo”. Oficialmente, o projeto é chamado de Svalbard Global Seed Vault, na ilha norueguesa de Spitsbergen, parte do arquipélago de Svalbard.
O banco de sementes está sendo construído dentro de uma montanha na ilha de Spitsbergen perto da pequena aldeia de Longyearbyen. O banco vai ter portas duplas à prova de explosão com sensores de movimento, duas câmaras pressurizadas e paredes de concreto reforçado com aço com um metro de espessura. Ele irá conter até três milhões de variedades diferentes de sementes de todo o mundo, de modo que “a diversidade de culturas possa ser conservada para o futuro”, segundo o governo norueguês. As sementes vão ser envoltas especialmente para excluir a humidade. Não haverá pessoal o tempo inteiro, mas relativa inacessibilidade do cofre vai facilitar a fiscalização de qualquer possível atividade humana.
Será que vamos perder alguma coisa aqui? Seu comunicado à imprensa afirmou, “de modo que a diversidade de culturas possa ser conservada para o futuro.” Que futuro os patrocinadores do banco de sementes preveem que ameaçaria a disponibilidade global das sementes atuais, já que todas estão bem protegidas em bancos de sementes em todo o mundo?
Uma vez que Bill Gates, a Fundação Rockefeller, a Monsanto e a Syngenta se juntam num projeto comum, vale a pena escavar um pouco mais por detrás das rochas de Spitsbergen. Se o fizermos vamos encontrar coisas fascinantes.
O primeiro ponto notável é quem está patrocinando a caverna de sementes do fim do mundo. Juntamente com os noruegueses estão, a Fundação Bill & Melinda Gates; a gigante americana DuPont / Pioneer Hi-Bred, um dos maiores proprietários mundiais de patentes geneticamente modificadas (OGM) de sementes de plantas e de agroquímicos afins; Syngenta, importante companhia de sementes OGM e agroquímicos, com sede na Suíça, através da Fundação Syngenta; a Fundação Rockefeller, um grupo privado que criou a “revolução genética” com mais de US $ 100 milhões em dinheiro de semente desde a década de 1970; CGIAR, a rede global criada pela Fundação Rockefeller para promover o seu ideal de pureza genética através da alteração da agricultura.

– CGIAR e ‘O Projeto’

A Fundação Rockefeller, o Conselho de Desenvolvimento da Agricultura de John D. Rockefeller III e a Fundação Ford juntaram forças para criar o Instituto Internacional de Pesquisa do Arroz (IRRI) em Los Baños, nas Filipinas. Em 1971, a Fundação Rockefeller IRRI, juntamente com a sua sede no México criaram o Centro Internacional de Melhoria do Milho e do Trigo e outros dois centros internacionais de pesquisa Rockefeller e Ford Foundation, o IITA para a agricultura tropical, na Nigéria, e IRRI para o arroz, Filipinas, combinados para formar um Grupo Consultivo Global sobre Pesquisa Agrícola Internacional (CGIAR).
CGIAR foi moldado em uma série de conferências privadas realizadas na Fundação Rockefeller em Bellagio, Itália. Os participantes chave nas conversações de Bellagio eram da Fundação Rockefeller, da Fundação Ford, do Banco Mundial e o organizador ambiental internacional da família Rockefeller, que, como administrador da Fundação Rockefeller, organizou o Encontro da Terra das Nações Unidas em Estocolmo em 1972. Era foco da fundação transformar a ciência a serviço da eugenia, uma versão repugnante da pureza racial.
Para garantir o máximo impacto, o CGIAR atraiu a Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas e o Banco Mundial. Assim, através de uma alavanca cuidadosamente planejada de seus recursos iniciais, a Fundação Rockefeller no início da década de 1970 já tinha condições de moldar a política da agricultura global.
Financiado por generosas bolsas de estudo do Rockefeller e Ford Foundation, o CGIAR providenciou que os principais cientistas e agrônomos do Terceiro Mundo fossem trazidos para os EUA para dominar os conceitos de produção do agronegócio moderno, a fim de levá-los de volta à sua terra natal. No processo, eles criaram uma valiosa rede de influência nesses países, mais especialmente a promoção do OGM, chamado de “Revolução Genética” nos países em desenvolvimento, tudo em nome da ciência e eficiente agricultura de mercado livre.

– Engenharia genética de uma raça superior?

Agora, o Cofre de Sementes em Svalbard começa a tornar-se interessante. Mas fica ainda melhor. A Fundação Rockefeller possui poderosos interesses financeiros desde a década de 1920 para utilizar a eugenia, mais tarde renomeada de genética, para justificar a criação de uma raça mestre geneticamente modificada. Hitler e os nazistas chamavam a Raça Mestra Ariana.
A eugenia de Hitler foi financiada em grande parte por esta mesma Fundação Rockefeller que hoje está construindo uma caverna de sementes do fim do mundo para preservar amostras de todas as sementes do nosso planeta. A mesma Fundação Rockefeller que criou a pseudociência da biologia molecular em sua busca incansável de definir a sequência genética para no futuro, alterar os traços humanos à vontade. Cientistas de Hitler, muitos dos quais foram discretamente levados para os Estados Unidos depois da Guerra para continuar suas pesquisas biológicas, trabalharam a favor da engenharia genética de diversas formas de vida, em grande parte apoiados abertamente pelo Terceiro Reich e por fundos generosos da Fundação Rockefeller.
A mesma Fundação Rockefeller criou a chamada Revolução Verde, a partir de uma viagem ao México em 1946 por Nelson Rockefeller e ex-secretário de Novos Negócios da Agricultura e fundador da empresa de sementes Pioneer Hi-Bred, Henry Wallace.
A Revolução Verde pretendia resolver o problema da fome no mundo, e para o México, Índia e outros países selecionados onde Rockefeller trabalhava. O agrônomo Norman Borlaug, da Fundação Rockefeller, ganhou o Prêmio Nobel da Paz por seu trabalho, dificilmente algo para se vangloriar.
Na realidade, como anos mais tarde se descobriu, a Revolução Verde foi um esquema brilhante da família Rockefeller para desenvolver um agronegócio globalizado que depois pudesse monopolizar tal como tinham feito na indústria de petróleo meio século antes. Como Henry Kissinger declarou em 1970: “Se você controlar o óleo, você controla o país; se você controla alimentos, você controla a população “.
O agronegócio e a Revolução Verde passou de mão em mão. Eles faziam parte de uma grande estratégia que incluiu o financiamento da Fundação Rockefeller de pesquisa para o desenvolvimento da engenharia genética de plantas e animais, alguns anos depois.
John H. Davis foi secretário assistente da Agricultura no governo do presidente Dwight Eisenhower no início dos anos 1950. Ele deixou Washington em 1955 e foi para a Graduate School of Business, um lugar incomum para um especialista em agricultura naquela época. Ele tinha uma estratégia clara. Em 1956, Davis escreveu um artigo na Harvard Business Review declarando que “a única maneira de resolver o chamado problema agrícola uma vez por todas, e evitar programas governamentais pesados, é progredir desde a agricultura ao agronegócio.” Ele sabia exatamente o que tinha em mente, porém alguns outros tinham apenas uma pista da revolução na produção agrícola que concentraria o controle da cadeia alimentar nas mãos de empresas multinacionais, longe do agricultor familiar tradicional.
Um aspecto crucial que dirigiu o interesse das empresas de agronegócio da Fundação Rockefeller e norte-americanos foi o fato da Revolução Verde ter sido baseada na proliferação de novas sementes híbridas nos mercados em desenvolvimento. Um aspecto vital das sementes híbridas foi a sua falta de capacidade reprodutiva. Híbridos tinha um mecanismo de proteção contra a multiplicação. Ao contrário das espécies normais polinizadas a céu aberto cujas sementes davam rendimentos semelhantes, o rendimento das sementes suportadas pelas plantas híbridas foi significativamente menor do que a da primeira geração.
Esse declínio no rendimento de híbridos significava que os agricultores deveriam, normalmente, comprar sementes todos os anos, a fim de obter alta produtividade. Além disso, o menor rendimento da segunda geração eliminou o comércio de sementes, que foi muitas vezes feito por produtores de sementes sem a autorização do obtentor. Ele impediu a redistribuição da semente por intermediários. Se as grandes multinacionais de sementes fossem capazes de controlar as linhagens parentais de sementes em casa, nenhum concorrente ou agricultor seria capaz de produzir o híbrido. A concentração global de patentes de sementes híbridas nas mãos de poucas companhias gigantes produtoras de sementes, lideradas pela DuPont Pioneer Hi-Bred e Dekalb da Monsanto estabeleceu a base para a revolução das sementes transgênicas mais tarde.
Com efeito, a introdução de tecnologia moderna americana agrícola, adubos químicos e sementes híbridas comerciais fizeram todos os agricultores locais nos países em desenvolvimento, particularmente os maiores e mais estabelecidos, dependentes de estrangeiros. Em sua maioria norte-americanos do agronegócio e empresas de insumos petroquímicas. Foi um primeiro passo para o que viria a ser um processo de décadas, cuidadosamente planejado.
De acordo com a Revolução Verde o Agronegócio fez grandes incursões em mercados que antes eram de acesso limitado aos exportadores norte-americanos. A tendência foi posteriormente apelidada de “agricultura orientada para o mercado.” Na realidade, era agricultura controlada pelo agrobusiness.
Através da Revolução Verde, a Fundação Rockefeller e mais tarde a Fundação Ford trabalharam para apoiar os objetivos de política externa da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e da CIA.
Um dos principais efeitos da Revolução Verde foi despovoar o campo de camponeses que foram forçados a fugir para favelas ao redor das cidades em busca desesperada por trabalho. Isso não foi um acidente; era parte do plano para criar mão de obra barata para a próxima fábrica americana multinacional, a ‘globalização’ dos últimos anos.
Quando a autopromoção em torno da Revolução Verde esmoreceu, os resultados foram bastante diferentes do que tinha sido prometido. Tinham surgido problemas do uso indiscriminado dos novos pesticidas químicos, muitas vezes com graves consequências para a saúde. O cultivo de monocultura de novas variedades de sementes híbridas reduziu a fertilidade do solo e produtividade ao longo do tempo. Os primeiros resultados foram impressionantes: os rendimentos de algumas culturas, como o trigo e o milho logo desapareceram.
A Revolução Verde foi normalmente acompanhada de grandes projetos de irrigação, que muitas vezes incluíam empréstimos do Banco Mundial para a construção de novas e grandes barragens, enchentes e áreas previamente assentadas e terras férteis no processo. Além disso, o super-trigo produzia maiores rendimentos através da saturação do solo com enormes quantidades de fertilizantes por hectare, o fertilizante sendo o produto de nitratos e do petróleo, commodities controladas pelas sete grandes companhias irmãs de petróleo dominadas pelos Rockefeller.
Também foram utilizadas quantidades enormes de herbicidas e pesticidas, criando mercados adicionais para os gigantes petrolíferos e químicos. De fato, a Revolução Verde foi meramente uma revolução química. Em nenhum momento as nações em desenvolvimento poderiam pagar as enormes quantidades de fertilizantes químicos e pesticidas. Eles iriam receber o crédito cortesia do Banco Mundial e de empréstimos especiais do Chase Bank e de outros grandes bancos de Nova York, apoiados por garantias do governo dos EUA.
Aplicados em um grande número de países em desenvolvimento, esses empréstimos foram sobretudo para os grandes proprietários de terras. Para os agricultores menores a situação foi trabalhada de maneira diferente. Pequenos agricultores não podiam pagar por outros insumos químicos modernos e tiveram de pedir dinheiro emprestado.
Inicialmente, diversos programas governamentais tentaram fornecer alguns empréstimos aos agricultores para que eles pudessem comprar sementes e fertilizantes. Os agricultores que não puderam participar neste tipo de programa tiveram que pedir emprestado do setor privado. Por causa das taxas de juros exorbitantes para empréstimos informais, muitos pequenos agricultores nem sequer obtiveram os benefícios dos rendimentos iniciais. Após a colheita, eles tiveram que vender a maioria, se não todos os seus produtos para pagar empréstimos e juros. Eles se tornaram dependentes de agiotas e comerciantes e muitas vezes perderam as suas terras. Mesmo com empréstimos em condições favoráveis de agências governamentais, a produção de culturas de subsistência deu lugar à produção de grandes plantações de dinheiro.
Há décadas a Fundação Rockefeller que apoiou a Revolução Verde inicial, tem trabalhado para promover uma segunda ‘Revolução Genética’, como o presidente da Fundação Rockefeller, Gordon Conway denominou há vários anos, a disseminação da agricultura industrial e comercial incluindo sementes OGM patenteadas.

– Gates, Rockefeller e uma Revolução Verde na África

É curioso que a mesma Fundação Rockefeller em conjunto com a Fundação Gates, estejam agora investindo milhões de dólares para preservar todas as sementes contra um cenário possível do “fim do mundo” e também estejam investindo milhões de dólares em um projeto chamado A Aliança para uma Revolução Verde na África.
AGRA, como é chamada, é uma aliança de novo com a mesma Fundação Rockefeller que criou a “Revolução Genética”. Um olhar sobre o Conselho de Administração da AGRA confirma isso.
Ele inclui ninguém menos que o ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, como presidente. Em seu discurso em um evento do Fórum Econômico Mundial na Cidade do Cabo na África do Sul em junho de 2007, Kofi Annan afirmou, ‘Aceito este desafio com gratidão à Fundação Rockefeller, a Fundação Bill & Melinda Gates, e todos os outros que apoiam a nossa campanha Africana. ‘
Como a velha Revolução Verde na Índia e no México não deram certo, a nova Revolução Verde África é claramente uma alta prioridade da Fundação Rockefeller.
Por enquanto, acredita-se que a Monsanto e os principais gigantes do agronegócio estão usando a AGRA de Kofi Annan para espalhar suas sementes patenteadas transgênicas em toda a África sob o rótulo enganador de ‘bio-tecnologia “, o novo eufemismo para sementes geneticamente modificadas. Até agora a África do Sul é o único país Africano que permite a plantação legal de cereais transgênicos. Em 2003 Burkina Faso autorizou testes com OGM. Em 2005, Gana de Kofi Annan elaborou legislação de bio-segurança e funcionários-chave expressaram a intenção de prosseguir a investigação sobre cereais transgênicos.
A África é o próximo alvo na campanha do governo americano para espalhar transgênicos em todo o mundo. Seus solos ricos a tornaram uma candidata ideal. Não é de surpreender que muitos governos africanos suspeitam o pior dos patrocinadores dos OGM como uma infinidade de projetos de engenharia genética e biossegurança iniciados na África, com o objetivo de introduzir OGM em sistemas agrícolas africanos. Estes incluem patrocínios oferecidos pelo governo dos EUA para treinar cientistas africanos em engenharia genética nos EUA, os projetos de biossegurança financiados pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) e do Banco Mundial; Investigação de OGM envolvendo culturas alimentares indígenas africanas.
A Fundação Rockefeller vem trabalhando há anos para promover, em grande parte, sem sucesso, projetos de introdução de OGM nos campos da África. Eles apoiaram a investigação que suporta a aplicabilidade do algodão OGM nas planícies do Makhathini na África do Sul.
A Monsanto, que tem uma forte presença na indústria de sementes da África do Sul, tanto de transgênicos e híbridos, concebeu um programa chamado de “Campanha Sementes da Esperança” para pequenos agricultores, que está lançando um pacote em pequena escala para agricultores pobres, seguido, é claro, por sementes transgênicas patenteadas da Monsanto.
A Syngenta AG da Suíça, um dos ‘Quatro Cavaleiros do Apocalipse Transgênico’ está despejando milhões de dólares em uma nova instalação de estufas em Nairobi, para desenvolver transgênicos de milho resistente a insetos. A Syngenta é uma parte do CGIAR.

– Passe para Svalbard

O que leva as fundações Gates e Rockefeller ao mesmo tempo a proliferar as patentes do “exterminador” de sementes em toda a África, um processo que, como em qualquer outro lugar na terra, destrói as variedades de sementes? Ao mesmo tempo que investem dezenas de milhões de dólares para preservar todas as variedades de sementes conhecidas em um cofre à prova de bombas perto do círculo ártico distante, para que a diversidade de culturas possa ser conservada para o futuro?
Não é por acaso que as fundações Rockefeller e Gates se uniram para impor um estilo OGM de Revolução Verde na África, ao mesmo tempo que eles estão silenciosamente financiando o “cofre de sementes do fim do mundo ” em Svalbard. Os gigantes do agronegócio OGM estão envolvidos até às orelhas no projeto Svalbard.
Em Svalbard, o cofre de sementes mais seguro do mundo será vigiado pelos policiais das Fundações Revolução Verde OGM Rockefeller e Gates, Syngenta, DuPont e CGIAR.
O projeto Svalbard será executado por uma organização chamada Global Crop Diversity Trust (GCDT). Quem são eles para manter uma relação de confiança tão incrível sobre as variedades de sementes de todo o planeta? O GCDT foi fundado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e Bioversity International (antigo Instituto de Pesquisa Genética de Plantas Internacional), um desdobramento do CGIAR. Seu conselho diretor é formado por grandes executivos e representantes de diversos países (ver a matéria em Inglês).
Doadores ou anjos financeiros do Global Crop Diversity Trust são as Fundações Rockefeller e Gates, os gigantes dos OGM DuPont-Pioneer Hi-Bred, Syngenta de Basle na Suíça, CGIAR e agência pró-OGM do Departamento de Estado para ajuda ao desenvolvimento, a USAID. Na verdade, parece que temos raposas vigiando o galinheiro da humanidade, a loja da diversidade global de sementes em Svalbard.

– Por que agora Svalbard?

Podemos legitimamente perguntar por que Bill Gates e a Fundação Rockefeller em conjunto com os principais gigantes do agribusiness da engenharia genética, como a DuPont e a Syngenta, junto com o CGIAR estão construindo o Cofre de Sementes no Ártico.
Quem usa esse banco de sementes em primeiro lugar? Cientistas com o propósito de melhorar plantas e pesquisadores são os principais usuários de bancos de genes. Os maiores produtores de plantas de hoje são a Monsanto, DuPont, Syngenta e Dow Química, os gigantes globais de patenteamento de plantas. Desde o início, em 2007, a Monsanto detém os direitos de patente mundiais, juntamente com o Governo dos Estados Unidos para a planta chamada “Exterminador” ou Tecnologia de Restrição de Uso Genético (GURT). O exterminador é uma tecnologia sinistra pela qual uma semente comercial patenteada comete ‘suicídio’ após uma colheita. O controle por empresas privadas de sementes é total. Tal controle e poder sobre a cadeia alimentar nunca existiu antes na história da humanidade.
Este inteligente traço geneticamente obriga os agricultores a voltar todos os anos à Monsanto ou outros fornecedores de sementes transgênicas para obter novas sementes de arroz, soja, milho, trigo se quiserem grandes culturas para alimentar sua população. Se amplamente introduzida em todo o mundo, pode, talvez dentro de uma década, tornar a maioria do mundo dos produtores de alimentos em servos feudais, escravos de três ou quatro gigantescas companhias de sementes como a Monsanto ou a DuPont ou a Dow Química.
Isso, é claro, também pode abrir a porta para que essas companhias privadas, porventura por ordem do seu governo local, Washington, recusem sementes a um ou outro país em desenvolvimento cuja política possa ir contra a de Washington. Aqueles que duvidam deveriam olhar mais de perto os acontecimentos globais atuais. A mera existência dessa concentração de poder em três ou quatro gigantes do agrobusiness com base nos EUA é motivo para o boicote legal de todos os cereais transgênicos, mesmo se os seus ganhos em colheitas sejam reais, o que não são.
Estas companhias privadas, a Monsanto, DuPont, Dow Química não têm um histórico imaculado em respeito à vida humana. Desenvolveram e proliferaram inovações como a dioxina, PCB, Agente Laranja. Cobriram por décadas as consequências graves, como cancerígenos e outros através do uso de produtos químicos tóxicos. Eles enterraram relatórios científicos sérios sobre seu herbicida, o glifosato, ingrediente essencial no herbicida Roundup da Monsanto que está vinculado a compra da maioria das sementes geneticamente modificadas da Monsanto, que é tóxico quando se infiltra em água potável. A Dinamarca proibiu o glifosato em 2003 quando confirmaram que ele contaminou o lençol de água do país.
A diversidade armazenada em bancos genéticos de sementes é a matéria-prima para o melhoramento vegetal e um grande esforço de investigação biológica. Várias centenas de milhares de amostras são distribuídas para esses fins. As Nações Unidas listam 1.400 bancos de sementes ao redor do mundo, sendo o maior realizado pelo Governo dos Estados Unidos. Outros grandes bancos estão localizados na China, Rússia, Japão, Índia, Coréia do Sul, Alemanha e Canadá, em ordem decrescente de tamanho. Além disso, o CGIAR administra uma cadeia de bancos de sementes em alguns centros ao redor do mundo.
O CGIAR, fundado em 1972 pela Fundação Rockefeller e Fundação Ford para disseminar o seu modelo de agronegócio, controla a maior parte dos bancos privados de sementes desde as Filipinas e da Síria ao Quênia. Em todos estes bancos de sementes eles mantêm mais de seis milhões e meio de variedades de sementes, quase dois milhões dos quais são ‘distintas’. De Svalbard, o Cofre do Fim do Mundo terá uma capacidade para armazenar quatro milhões e meio de sementes diversificadas.

– Transgênicos como arma de guerra biológica?

Agora chegamos ao coração do perigo e do potencial de utilização indevida inerente ao projeto Svalbard de Bill Gates e da Fundação Rockefeller. Pode o desenvolvimento de sementes patenteadas para a maioria das principais culturas de sustentação de todo o mundo, tais como arroz, milho, trigo e cereais forrageiros, como a soja, em última instância ser usado como arma de uma possível guerra biológica?
Uma pequena empresa de biotecnologia da Califórnia, Epicyte, em 2001, anunciou o desenvolvimento de trigo geneticamente manipulado que continha um espermicida que tornava o sêmen dos homens que comeram estéril. Na época, Epicyte tinha um acordo para difundir sua tecnologia com a DuPont e a Syngenta, dois dos patrocinadores do Cofre de Sementes em Svalbard. Epicyte foi depois adquirida por uma empresa de biotecnologia da Carolina do Norte. Surpreendente foi saber que a Epicyte havia desenvolvido o seu trigo OGM espermicida com financiamentos para investigação do Departamento de Agricultura dos EUA, o mesmo departamento que, apesar da oposição mundial, continuou a financiar o desenvolvimento da tecnologia do Exterminador, hoje propriedade da Monsanto.
Na década de 1990 a Organização Mundial de Saúde da ONU lançou uma campanha para vacinar milhões de mulheres na Nicarágua, México e Filipinas entre as idades de 15 e 45 anos, supostamente contra o tétano, uma doença decorrente de situações como pisar em um prego enferrujado. A vacina não foi dada a homens ou rapazes, apesar de que eles terem, presumivelmente, as mesmas chances de pisar em pregos enferrujados.
Por causa dessa anomalia curiosa, o Comitê Pro Vida do México, uma organização leiga ficou desconfiada e decidiu testar amostras da vacina. Os testes revelaram que a vacina contra o tétano estava sendo espalhada pela OMS apenas para mulheres em idade fértil contendo Gonadotrofina coriônica humana ou hCG, um hormônio natural que, quando combinado com um portador toxóide tetânico torna a mulher incapaz de manter uma gravidez. Nenhuma das mulheres vacinadas foi informada.
Mais tarde a Fundação Rockefeller em conjunto com o Conselho de População de Rockefeller, o Banco Mundial (anfitrião do CGIAR) e os Institutos Nacionais dos Estados Unidos da saúde foram envolvidos neste projeto de 20 anos iniciado em 1972 para desenvolver a escondida vacina de aborto com um portador de tétano para a OMS. Além disso, o Governo da Noruega, o anfitrião do Cofre de Sementes Svalbard, doou US $ 41 milhões para desenvolver a vacina especial abortiva do tétano.
É uma coincidência que estas mesmas organizações, desde a Noruega à Fundação Rockefeller, o Banco Mundial também estejam envolvidos no projeto Svalbard? De acordo com o Prof. Francis Boyle, que redigiu o Ato Anti Terrorismo e Armas Biológicas de 1989 promulgado pelo Congresso dos EUA, o Pentágono “está se preparando para lutar e vencer a guerra biológica” como parte de duas diretivas adotadas por Bush, sem o conhecimento de público e crítica. Boyle acrescenta que em 2001-2004 só o Governo Federal dos EUA gastou 14,5 bilhões dólares para o trabalho relacionado com a bio-guerra civil, uma soma impressionante.
Biólogo da Universidade Rutgers Richard Ebright estima que mais de 300 instituições científicas e cerca de 12.000 pessoas nos EUA têm hoje acesso a patógenos adequados à guerra biológica. Existem 497 bolsas americanas de investigação em doenças infecciosas com potencial de guerra biológica. É claro que isso está sendo justificado sob a desculpa da defesa contra possíveis ataques terroristas.
Muitos dos dólares do governo americano gastos na investigação da guerra biológica envolvem engenharia genética. O professor de biologia do MIT Jonathan King, diz que os ‘crescentes programas de terrorismo biológico representam um perigo emergente significativo para a nossa população. E acrescenta, “embora esses programas sejam sempre rotulados de defensivos, com armas biológicas, os programas defensivos e ofensivos se sobrepõem quase completamente.
O tempo dirá se o Cofre de Sementes em Svalbard de Bill Gates e da Fundação Rockefeller é parte de outra grande solução mundial, ou um projeto de extinção em massa.

Fonte (matéria em Inglês):https://www.minds.com/blog/view/247787022851248128/“doomsday-seed-vault”-in-the-arctic-bill-gates-rockefeller-and-the-gmo-giants-know-something-we-don’t-2007

Vídeo “O veneno está na mesa”: