Nova Teoria sobre Matéria Escura tenta explicar a falta de matéria do Cosmos

Amigos e alunos,

Uma matéria interessante para estudo e acompanhamento. Aos poucos a ciência se aprofunda no estudo da matéria e energia escura. Diversas vezes abordamos este assunto em nossos estudos, cursos e matérias, explicando que a busca pelo despertar de consciência e pela iluminação espiritual trazem a lembrança do nosso verdadeiro DNA adormecido, que está contido no mistério que envolve a matéria e energia escura do Cosmos.

 

Fontes originais:

 

Publicado por: Jolene Creighton em 25 de setembro de 2015

Os cientistas de Lawrence Livermore apresentaram uma nova teoria que pode identificar por que a matéria escura não foi detectada diretamente em experimentos baseados na Terra.

Um grupo de físicos de partículas conhecido como a Lattice Strong Dynamics Collaboration, liderados por uma equipe de Lawrence Livermore National Laboratory, combinaram técnicas de física teórica e computacional usando o supercomputador Vulcan paralelo 2-petaflop do Laboratório para conceber um novo modelo de matéria escura. Hoje eles a identificam como naturalmente “furtiva” ou “stealth” (como a aeronave Stealth, difícil de detectar), mas teria sido fácil de identificá-la através de interações com a matéria comum nas condições extremas de plasma de alta temperatura que permearam o início do universo.

O mapa 3D ilustra a distribuição em grande escala da matéria escura, reconstruído a partir de medições de lentes gravitacionais fracas usando o Telescópio Espacial Hubble.

O mapa 3D ilustra a distribuição em grande escala da matéria escura, reconstruído a partir de medições de lentes gravitacionais fracas usando o Telescópio Espacial Hubble.

“Essas interações no universo inicial são importantes porque a matéria comum e escura abundantes hoje são muito semelhantes em tamanho, sugerindo que isso ocorreu por causa de um ato de equilíbrio realizado entre as duas antes do universo ter arrefecido”, disse Pavlos Vranas de LLNL, e um dos autores do estudo, “a Detecção Direta da Matéria Escura “Stealth” através da Polarizabilidade Eletromagnética”.

A matéria escura representa a maior parte de toda a matéria do universo e não interage diretamente com as forças nucleares ou eletromagnéticas fortes e fracas. A luz não reflete nela, e a matéria comum passa por ela com apenas o mínimo de interações. Essencialmente invisível, ela tem sido chamada de matéria escura, mas suas interações com a gravidade produzem efeitos marcantes sobre o movimento de galáxias e aglomerados galácticos, deixando pouca dúvida sobre sua existência.

A chave para a personalidade dual da matéria escura é a sua composição e o milagre do confinamento. Como quarks em um nêutron, em altas temperaturas, esses componentes eletricamente carregados interagem com quase tudo. Mas a temperaturas mais baixas, se ligam em conjunto para formar uma partícula de compósito eletricamente neutro. Ao contrário de um nêutron, que é vinclulado à interação forte ordinária da cromodinâmica quântica (QCD), o nêutron furtivo teria que ser vinculado a uma nova e ainda não observada interação forte, uma forma escura de QCD.

“É notável que um candidato a matéria escura apenas várias centenas de vezes mais pesado do que o próton, pode ser um composto de componentes eletricamente carregados e ainda ter se evadido da detecção direta até agora”, disse Vranas.

Semelhante a prótons, a matéria escura “stealth” é estável e não decai ao longo do tempo cósmico. No entanto, como QCD, produz um grande número de outras partículas nucleares que se decompõem pouco tempo após a sua criação. Estas partículas podem ter carga elétrica mas teriam deteriorado há muito tempo. Em um acelerador de partículas com energia suficientemente alta (como o Large Hadron Collider na Suíça), estas partículas podem ser produzidas novamente pela primeira vez desde o início do universo. Eles poderiam gerar assinaturas originais nos detectores de partículas, porque elas poderiam ser carregadas eletricamente.

“Experimentos de detecção direta ou experimentos no Grande Colisor de Hádrons podem em breve encontrar evidências de (ou descartar) essa nova teoria da matéria escura “stealth” “, disse Vranas.

 

Uma ilustração de como filamentos de matéria escura pode aglomerar galáxias (Crédito: AMNH)

Uma ilustração de como filamentos de matéria escura pode aglomerar galáxias (Crédito: AMNH)