VENTOS DE ÓRION – CONFEDERAÇÃO 3

Amigos e alunos,

Compartilhamos com vocês um trecho do livro Ventos de Órion – Confederação 3 de 1999, para que tomem conhecimento de parte das ações estratégicas, políticas, tecnológicas e espirituais do nosso quadrante estelar na busca pelo poder, que influenciaram e ainda têm efeito profundo na nossa sociedade. Para que compreendam um dos conceitos herméticos “Como é em cima, é em baixo.”

 

ShtarRog era um filho direto de Shtareer, que desenvolveu o lado guerreiro sustentando os bloqueios bélicos da Federação contra as Casas de Comércio que manifestavam ações de controle e abuso contra o desenvolvimento intelectual e social dos mundos em desenvolvimento, onde teve o apoio direto do Almirante Ashtar Sheran, que como filho do Arcanjo Miguel, ancorava o poder da Justiça e do equilíbrio.

Thot como outra manifestação de Shtareer, procurava bloquear o avanço das tropas e políticas draconianas, que corrompessem a própria natureza Draconiana, que estava dividida entre diferentes linhagens e classes temporais dessas raças, pois estava em contato com os antigos Sábios como era o caso de Potolak, que buscava resgatar a consciência pacifica de seus descendentes.

Potolak vinha de culturas que já tinham sido materiais dentro da fisicalidade de 3ª dimensão nos primórdios da estabilização gravitacional da Via Láctea há mais de 13,7 bilhões de anos da contagem terrestre. Assim, ele era um dos representantes do Conselho Cármico da Via Láctea, que procurava delimitar as ações irresponsáveis de Anhotak, que por outro lado poderia ser enquadrado como o Irmão negativo de Micah em escalas mais densas, por ser um Filho Paradisíaco residente na egrégora da 15ª dimensão, bem abaixo de Micah. No entanto, com poder e liberdade de interagir com diversos grupos Monádicos, gerando assim uma forte dualidade consciencial nessas Mônadas, inserindo diversos aspectos que são estudados na Cabala, entre eles a dualidade do CRIADOR, a dualidade das SEFIRAS e de outros aspectos que procuram explicar o porquê da dualidade entre irmãos.

Potolak ajudou em muito a ação de unificação de Ashtar Sheran e de Thot contra os grupos guerrilheiros, que por sua vez também eram manipulados de forma a efetuar ações que só eram interessantes para Satã.

Lúcifer, por sua vez, procurava diretamente com o Conselho Cármico, delinear táticas que permitissem o despertar de seus filhos para a realidade das manipulações, onde a linha temporal é bem diferente da realidade psíquica que essas almas vivenciavam em suas realidades. Assim diversos trabalhos paralelos estavam sendo efetuados para manter um equilíbrio, onde todos os Elohins e outros agentes espirituais faziam parte desse Xadrez Cósmico que estava em andamento dentro da consciência de trilhões de almas encarnadas.

As Casas de Comércio representavam uma forma direta de modificar o equilíbrio de poder, devido ao aspecto financeiro e político que elas representavam na expansão dos Impérios ou mesmo da Federação, onde as disputas pela posse dos planetas a serem colonizados ou minerados era uma questão estratégica, envolvendo espionagem e intrigas, onde a ação direta dos grupos de ambas as frentes era bem definida, pois o poder tecnológico era muitas vezes decidido sobre os recursos minerais desses mundos em disputa. Diversos recursos minerais disponíveis em planetas extremos, onde as condições gravitacionais ou mesmo ambientais eram além do normal, sustentavam importantes jazidas minerais destinadas ao desenvolvimento de tecnologias de propulsão espacial ou de sistemas de dobra e propulsão temporal, que determinariam a ação definitiva da superioridade tecnológica e militar dos grupos envolvidos.

Os Cristais eram um dos principais sistemas de energia que sustentavam grande parte da tecnologia empregada pelos grupos de ponta, além do ouro, platina, titânio, cobalto, urânio, hematita, polônio, cassiterita, berquélio, samário, tório, protactínio, cério, lítio, estrôncio, paládio, mercúrio, astato, radônio, rubídio, ósmio entre alguns dos principais elementos que sustentavam diversos aspectos científicos e industriais dos grupos científicos e tecnológicos. Além de outros compostos desconhecidos da Terra até o momento.

Assim, as Casas de Comércio mantinham um grande número de planetas sob seu registro, representando poder e com isso, a necessidade de frotas para proteger da pirataria esses mundos, onde entrava a Federação e outros grupos em equivalência, de menor porte, mas sem ética no que se refere na forma de proteção desses mundos, onde atuavam muitas vezes os grupos mercenários que eram sustentados em segredo pelas Casas de Comércio.

Zathia tinha que estar sempre equilibrando as coisas e sustentando posições delicadas à frente das outras Casas de Comércio para deter a supremacia sobre os mundos sob sua tutela. Nemarathan por sua vez, desenvolvia as necessárias ações para garantir quer essa Casa de Comércio de Anthuerpia se sustentasse dentro de uma relativa inocência e bom grado com as outras concorrentes, sem revelar a fachada que ela realmente desenvolvia em diversas ações envolvidas com colonizações, construindo bases secretas subterrâneas nesses mundos para protegê-los de futuras invasões, como ocorreu com a TERRA.

A Casa de Anthuerpia construiu importantes bases secretas muito antes da Terra ter sido conquistada ou roubada da Federação há mais de 857 mil anos da contagem terrena, antes da chegada dos Deuses dos últimos ciclos evolutivos, em parceria com as energias de Sanat Kumara, sustentando uma importante rede de cidades etéricas que possuem seu equivalente material a centenas de quilômetros de profundidade, em localidades ainda na atualidade secretas para os grupos subversivos de Satã que habitam as profundidades da Terra em suas cidades intraterrenas.

Krothon e Antoraquel desenvolveram planos de ação juntamente com Shimina-Han para acelerar o processo de divulgação de conceitos filosóficos sobre as leis universais, principalmente sobre as diretrizes da lei cármica, sobre as diversas realidades psíquicas que envolvem todos os seres do universo e sua estrutura energética desde os planos sutis, o que era justamente o contrário ao que Satã e suas equipes estavam pregando, criando assim uma contradição e oposição bem definida entre as culturas emergentes, que em geral habitavam as realidades entre 3ª e 4ª dimensão de consciência.

Assim, ao impor uma nova postura filosófica, diversos grupos com seus agentes Avatáricos conseguiram resfriar os planos de dominação e manipulação de Satã. No entanto, essa situação nos mundos mais densos e com maior grau de conflitos, gerou situações onde diversos movimentos anárquicos se plasmavam de forma bem profunda e critica, devido ao grande número de agentes infiltrados e suas sabotagens.

A Líder política Palanises foi uma das egrégoras femininas que mais desenvolveu um trabalho de tratados e acordos diplomáticos com as Federações sustentando um plano de unificação que vinha sendo desenvolvido por Ashtar desde a constelação do Centauro. Lilith também foi uma estreita colaboradora de Palanises para gerar uma unificação junto a diferentes linhas políticas e estratégicas, para impedir o avanço desmedido das forças bélicas de Satã e de Satanás, que sustentava uma frota imensa como inibidor da coragem dos inimigos potenciais, pois desfilava com suas naves em manobras militares com muita frequência.

Os Mestres Aeolo juntamente com Lúcifer procuraram desenvolver estratégias para reverter o quadro dos programas sabotados por Satã desde as altas esferas, onde se incluíam os programas encarnacionais e os hologramas que semanticamente têm relação com os filmes Matrix e o 13º Andar. Esses programas tinham sido sabotados em diversos aspectos genéticos ainda nas matrizes monádicas, o que representava a ação direta dos agentes Ascensos de Anhotak, pois desde a 15ª dimensão era possível acessar os códigos genéticos de diversas matrizes monádicas. Como existiam diversas Mônadas ligadas à dualidade de Anhotak, era fácil inserir programas e padrões genéticos com variações e alterações que se manifestariam diretamente em determinadas situações a partir da 6ª dimensão de consciência e gradualmente ativando-se à medida que a realidade ficava mais densa, o que explicava a alta taxa de dualidade e violência dos grupos físicos da 3ª dimensão e realidades próximas a essa vibração.

Assim, para verificar essas sabotagens, era necessário contatar os registros Monádicos de diversos grupos e unir os trabalhos dos Senhores do Carma, para instaurar um processo administrativo contra Anhotak, que infringiu a lei de não manipulação e assédio aos grupos Monádicos em evolução, ou seja, grupos Monádicos que foram criados recentemente e que devem desenvolver uma série de etapas encarnacionais e vivências para burilar suas capacidades criativas, para assim adquirir o equilíbrio como cocriadores, o que aparentemente tinha sido modificado, pois existem os Grupos Monádicos que já efetuaram sua jornada em todas ou algumas linhas encarnacionais e detêm uma relação bem clara sobre suas intenções.

Outras Mônadas ainda recentes que foram criadas pela energia de um Cocriador ainda necessitam percorrer uma linha experimental até adquirir essa sincronicidade com o universo dentro da própria dualidade, assim diferenciam-se as Mônadas maduras das novatas. Nesse caso, uma Mônada novata ou jovem, recebe a ajuda do Ajustador de Pensamento e do Cristo que a formou estabilizando seu EU SOU, para que ocorram os programas evolutivos e experienciais no universo multidimensional que elas devem plasmar em suas jornadas, até adquirirem total independência como Cristo e Criadores para dar continuidade ao ciclo criando outras Mônadas e sustentando outros EU SOU através da sua experiência e ciclo universal de vida.

Verificou-se que Anhotak tinha influenciado e manipulado diversos grupos Monádicos para inserir codificações que ativariam aspectos de alta negatividade no campo genético de diversas raças, despertando a negatividade, agressividade e outras características que culminariam na corrupção social e na formatação dos Iluminattis dentro de diversas realidades dos mundos em maior gradiente de dualidade, como Capela, Tau Ceti, Boronak, Terra, Maldek, Athinqui, Sirius Beta, Sirius Kapa, Rigel, Órion, Saiph, além de diversos mundos próximos a Alnilan, Mintaka e Alnitak, onde diversos aspectos conturbadores foram registrados na evolução de milhares de formas de vida em diferentes realidades temporais e dimensionais.

Aeolo e Lúcifer sabiam que para reverter o quadro, os grupos Avatáricos deveriam contar com a ação direta da Confederação que já habitava outras realidades além da 7ª dimensão de consciência e que isso exigia a necessidade ativa de agentes encarnados dentro das realidades inferiores, onde se enquadrava a realidade de Astreia, que junto com diversos outros agentes, deveriam dar a sustentação para o resgate consciencial dos mundos em conflito e ajudar os dirigentes da Federação e das Casas de Comércio comprometidos com a proposta evolutiva.

Mais uma intensa rede de situações e relações energéticas estava sendo plasmada para sustentar a dualidade dentro de um universo onde as Almas devem ser treinadas, pois o quadrante onde nos encontramos é de livre arbítrio, onde situações desse gênero foram previstas pelas altas hierarquias celestes e espirituais. As situações dentro das diversas Casas de Comércio foram gradualmente contornadas, embora em algumas surgissem aspectos críticos, onde a Federação ou outros órgãos intervieram para evitar uma catástrofe ou mesmo quebra econômica dos mundos coligados a essas instituições, que possuem certa equivalência com os Bancos da Terra, que sustentam indústrias de diversas ramificações. Assim tornava-se necessário sustentar a economia de todas essas instituições para gradualmente contornar o caos que as forças dos Iluminattis procuravam inserir nos mundos sob seu alvo. Em Sirius, Betelgeuse, Alcione, Lira, Arcturus e Canopus a situação estava sob controle, no entanto nos mundos coligados a estes, a situação não era das melhores, principalmente naqueles mais densos e com maior dualidade, devido às manipulações e relações tensas dos grupos politicamente atuantes. Esses mundos tinham que receber uma atenção maior, o que em muitos aspectos criava um elevado desgaste para as autoridades e membros encarregados dos planetas em elevado grau de estabilidade. E desta maneira, Satã consegui gradualmente minar o poder desses mundos independentes. Esse foi um fator que aos poucos começou a preocupar as lideranças espirituais de cada um desses mundos, que mantinham contato com as Fraternidades de Luz Espirituais, além dos contatos com os representantes de Canopus e seus agentes. Foi necessário então, sustentar um plano operacional que não permitisse a quebra da estabilidade dos mundos principais de cada Federação e das principais Casas de Comércio, o que originou o plano para se criar mundos de Exílio.

Os mundos de exílio tinham que ser plasmados de forma direta e estrategicamente inseridos dentro do contexto sideral, o que colocou os 37 mundos dentro do perímetro como pontos estratégicos para desmantelar a ação nefasta dos grupos mais atuantes, onde trilhões de almas seriam envolvidas e hospitalizadas pelo ponto de vista das hierarquias espirituais. Para muitos, eram mundos de aprisionamento e punição, cada qual expressando um ponto de vista. Mas para tornar isso real, tornava-se necessário programar um plano que delimitasse essa intenção como real, além do fator delicado do elevado número de naves do Império de Órion, que superava em muito o poder da Federação, portanto, deveria ser estudado um plano astuto, onde o confronto não fosse determinante. As frotas secretas da Confederação só poderiam entrar em ação em casos muito extremos.

A unificação em reuniões secretas de todos os agentes e envolvidos na execução desse plano, sustentou durante diversos ciclos encarnacionais esse propósito, onde cada qual participava e colocava o devido tijolo para construir esse plano demorado e politicamente complexo. Pois a parte espiritual também estaria envolvida, além da ação dos planos de manipulação das matrizes encarnacionais, onde um processo com o Conselho Cármico teve que ser plasmado para direcionar os focos encarnacionais para esses 37 mundos hospitalares e de exílio. Começava a se formatar um plano demorado, onde através dos processos cármicos, essas almas deveriam ser encaminhadas para mundos onde uma poderosa Barreira de Frequência iria bloquear as suas transmissões mentais e Formas Pensamento, para gradualmente impedir a contaminação do espaço adjacente, como ocorre com a Terra desde milênios.

O Projeto de exílio levou milhares de anos para ser concebido e inicializado, pois diversas questões estavam em jogo. Além da política, as ações de cada cidadão de todos os mundos envolvidos e das autoridades secretas envolvidas com esse propósito, onde a espionagem e diversos aspectos estavam em jogo e conflito de ideias.

Exilar almas doentes que não conseguiam se conectar com seu próprio aspecto divino interior, não era uma coisa fácil devido a todas as realidades paralelas geradas no processo, com as diversas Formas Pensamento que são desprendidas por essas almas em seus meios sociais, que eram controladas pelas técnicas já mencionadas, para transformar esses 37 mundos em lugares de exílio e planetas hospitais onde a alma aprenderia a se libertar das amarras e limitações que ela aceitou dentro dos hologramas que vivenciou dentro do processo degenerativo e limitações que cada qual aceitou como real em suas jornadas encarnacionais. Assim, o plano de Micah, seus discípulos e enviados, tinha que ser plasmado dentro de uma outra cronologia divina, onde o tempo estava bem além da percepção limitada dessas almas doentes e rebeldes.

E justamente o projeto Avatárico possuía os ingredientes necessários para plasmar e direcionar ao longo de diversos ciclos esse projeto de planetas hospitais, onde cada Avatar e Cristo encarnado, além dos agentes, deveriam contribuir e colocar seu tijolo para construir uma estrutura onde as forças tenebrosas de Anhotak se envolvessem sem perceber, devido sua própria ignorância e arrogância, que em muitos casos foi um fator decisivo contra as forças da Luz, que não necessitaram confrontar as tropas de Satã em diversos focos de conflito no decorrer das perturbações e jogadas políticas.

Na realidade, a frota Draconiana e do Império de Órion gradualmente foi sendo amplificada para uma grande investida, o que foi se confirmando pelo número de naves, sempre superando em número as naves da Federação. Esse aspecto só foi equilibrado com o tempo, quando a Federação conseguiu se estabilizar e estruturar de forma pacífica dentro de suas próprias bases, o que demorou como verificamos pelas intrigas internas e a corrupção inicial. As naves da Federação eram divididas em categorias tecnológicas e a frota secreta estava a serviço de Ashtar e de ShtarRog onde Thot também atuava de forma secreta, para distribuir o poder de forma estratégica, sem que isso se tornasse evidente no jogo de xadrez político que cada personagem encarnado desenvolvia.

Existe uma relação profunda com a frase de Hermes Trimegisto, que também foi pronunciada pelo Mestre dos Mestres, Jesus Cristo “ Como é em cima, é em baixo, e como é em baixo é em cima” e dentro desse jogo, diversos agentes duplos estavam em atuação, tanto do lado da Federação como do Império de Órion, o que tornava a situação de muitos colaboradores muito instável, onde somente a sensibilidade do Cardíaco era capaz de detectar os verdadeiros envolvidos no plano da luz, semelhante ao que está ocorrendo no momento.

Situações de corrupção e trapaças, além de chantagens e trocas de intenção eram comuns dentro do processo evolutivo e consciencial que estava sendo plasmado nessa trajetória experiencial de trilhões de almas, que iam gradualmente constituindo uma intrincada rede de padrões vibracionais, que por sua vez, formatavam realidades paralelas através das Formas Pensamento geradas no processo. Esse fator era um dos mais complexos para a estabilização do Projeto de Exílio que estava em principio ajustado para 37 mundos da Via Láctea, mas na realidade encerrava um total de 144 planetas dentro do quadrante das 21 galáxias de livre arbítrio setorial de Nebadon, que por sua vez é um quadrante especial e setorial do Universo de Nebadon, que conta com cerca de 100 mil galáxias como a nossa Via Láctea.

Muitos agentes fieis à Federação e às fraternidades da Luz, foram se desvirtuando e se contaminando com as tentações oferecidas pelo poder de Satã e suas equipes, assim como muitos servidores das trevas se elevaram como grandes Mestres de Luz, e ajudaram a elevar o trabalho de libertação em muitos mundos conturbados pelas guerras.

Estes agentes tinham a capacidade de se infiltrar em diversas situações, manipulando informações para seu sucesso, o que ambas as partes desenvolviam. Os protocolos tecnológicos de segurança nem sempre estavam atualizados o suficiente para erradicar a espionagem e suas fantásticas fórmulas de atuação dentro do palco dos acontecimentos. O desenvolvimento tecnológico crescia de forma vertiginosa, pois dentro das diversas estruturas sustentadas por ambos os impérios e os impérios menores, existiam civilizações ou pelo menos parte delas, que se especializavam apenas em um foco, a serviço dos impérios ou da Federação. Assim, por exemplo, parte da civilização dos Zeta Reticulli com o tempo se dedicou exclusivamente às pesquisas genéticas para gerar novas formas de vida e potencializar outras. Como outros povos se dedicaram apenas à criação de armamentos cada vez mais mortais e multidimensionais, outros se dedicaram às novas capacidades técnicas de propulsão das naves, outros aos estudos dos Portais estelares, outros às pesquisas psíquicas da mente nos outros planos de consciência e assim por diante, permitindo com isso que uma aceleração na corrida pelo poder e pela alta tecnologia se manifestasse de forma real para esses Impérios, que de todas as formas usavam seus agentes, para sustentar esse projeto e assegurar que seus colaboradores não mudassem de lado ou estivessem fazendo jogo duplo. Um aspecto onde muitos agentes eram duplos, ou mesmo triplos, dependendo da situação. Esse ar de insegurança era muito delicado em muitos setores, principalmente naqueles onde novas tecnologias que representavam a supremacia do poder eram minuciosamente escaneados regularmente, onde cada agente tinha que ser investigado e monitorado em todos seus atos, onde os androides e seres simbióticos estavam presentes, para assegurar a fidelidade de seus agentes. Para os próprios agentes a situação muitas vezes se tornava insustentável e delicada, pois não tinham vida própria, de forma semelhante ao que ocorreu na nossa guerra fria entre Estados Unidos e União Soviética.

O poder das agências de inteligência secreta e espionagem, era bem acima do comum, pois eles detinham importantes patentes na política e nas instituições religiosas, o que os colocava bem acima do que muitos poderiam pensar, pois o número de interesses era bem maior, além de diversas frentes ligadas a Satã competirem entre si, o que aumentava a situação delicada dos agentes. O mesmo ocorrendo com diversos agentes da Federação, que também estavam em situações delicadas e complexas como seus oponentes. Pois diversos grupos dentro da Federação no início de sua formatação e mesmo quando ela estava estável, contava com pessoas descontentes e infiltrados, o que é comum em organizações desse tamanho, onde milhares de seres de planetas distintos nem sempre concordam com os mesmos parâmetros ou conceitos.

Em Capela existia um antro de negociações e manipulações que faziam Merceshan ter uma alta movimentação e tarefas muito além do que inicialmente esperava, pois, Capela e seus mundos estavam se transfigurando como Sodoma e Gomorra estelares, indo bem além do que a Federação e seus conselheiros tinham calculado. O efeito de barreira de frequência estava amplificando muito mais as baixas vibrações. O mesmo ocorria com Rigel e seus mundos, em especial 3 mundos de altíssima negatividade ligados aos Draconianos mais perigosos e perniciosos de Órion.

Os focos Draconianos e seus agentes também procuravam com o tempo direcionar diversos aspectos políticos da humanidade e dos Draconianos como um todo, plasmando seus próprios interesses, que em parte chegaram a fugir da perspectiva do próprio Satã e de sua equipe, onde Lúcifer verificou que a seriedade dos acontecimentos e dos efeitos sobre essa negatividade, iam muito além do que se tinha imaginado, mesmo dentro das esferas de um Lanonadek, que em geral habitam esferas de 16ª dimensão de consciência. Uma nova realidade consciencial estava plasmada em Rigel e seus mundos, onde terríveis guerras entre diferentes famílias Draconianas começaram a fermentar e desenvolver um caos interno. Situações semelhantes ocorreram em Draconia em Draco, o que fez com que os grandes mentores do Sistema de Órion canalizassem essa fúria contra a Federação e todos os focos de vida que não fossem draconianos. Assim esses seres foram usados como bucha de canhão e testas de ferro, para gerar as guerras contra os povos pacíficos e a Federação, inserindo em suas consciências que seus problemas eram gerados pelas formas não draconianas da Federação e dos mundos onde os Draconianos não eram a liderança. E esses seres confusos foram sendo inflados a gerar uma guerra muito mais complexa e ampla do que se tinha imaginado, o que fez com que muitos agentes entrassem em pânico quando compreenderam as repercussões desse tipo de situação e manipulação satânica, que muitas lideranças de Rigel estavam aceitando como verídicas e treinando seus guerreiros para assim aliviar a tensão interna dos sistemas de Rigel e canalizar essa fúria contra os inimigos invisíveis e em muitos casos falsos inimigos, pois não existia essa ameaça que foi camuflada e inventada pelas manipulações políticas de Satã e suas equipes, onde Toalk desenvolveu planos magníficos para inserir agentes nas posições de liderança. A guerra começava a ser plasmada e induzida por seres sem escrúpulos, que somente estavam interessados em seus interesses pessoais e na sustentação da energia de Anhotak através dessas jogadas políticas.

Na medida em que esses planos eram desenvolvidos pelos governos ocultos, diversas técnicas de vampirização e aproveitamento do ectoplasma gerado dentro desses conflitos e distúrbios emocionais, eram desenvolvidos e empregados em escalas planetárias, o que em muitos casos estavam ligados à criação de sistemas de barreiras de energia que sustentavam determinados padrões energéticos e oitavas de luz, para não permitir que essas civilizações mais contaminadas despertassem. Assim a energia das trevas, que na realidade têm ligação ou correlação com a ignorância sobre as leis do universo e os efeitos cármicos delas, faziam dessas civilizações formas completamente entrópicas, que a cada minuto ou ciclo encarnacional se rebaixavam ainda mais nas suas vibrações, afastando-se de seu caminho original e das energias sutis de seus outros planos, gerando assim as realidades ilusórias, que tantas vezes temos nos referido. Diversas naves de processamento de ectoplasma eram colocadas na órbita desses mundos e processavam essas energias como combustível para emissores de ondas por teletransporte para os mundos centrais onde estavam os governos ocultos de Satã e seus colaboradores. Assim todo um sistema de alimentação e vampirização era sustentado pelas naves e agentes secretos nos mundos em rebelião e conturbações políticas, religiosas e conscienciais.

Outro fator relevante dentro desse processo, é o fato que muitas situações ocorreram em realidade paralelas, não estando ligadas diretamente na mesma realidade, mas em paralelo, através de milhares de almas gêmeas em posições estratégicas de poder, o que amplificou ainda mais os efeitos conturbadores dessa grande rebelião e seus efeitos degenerativos de Formas Pensamento, que eram gerados a cada segundo dentro da corrida suicida dessas civilizações que eram manipuladas pelas forças trevosas e seus agentes inescrupulosos, que somente enxergavam o poder.
A intriga era uma das formas mais comuns de gerar distúrbios e controlar essas almas confusas, inserindo dentro delas uma situação de chantagem e desenvolvimento do poder pelo poder, explorando seu semelhante. Dentro de cada sociedade foram desenvolvidas escolas iniciáticas, que deveriam controlar a mente e o comportamento de cada sociedade e utilizar os ensinamentos dos Avatares, de forma desvirtuada para sustentar o poder e usá-lo contra a liberdade consciencial de cada cidadão, fazendo assim com que os protocolos de Satã se tornassem reais dentro de cada mundo tomado pelas forças trévicas.

Acar Odethon acabou se envolvendo com esse tipo de situação e em algumas de suas encarnações esteve preso e compartilhando com essas energias junto a Satã em Rigel e Draconia, tendo encarnado diversas vezes dentro do Sistema e Império de Órion, lutando lado a lado com Toalk enfrentando os interesses de unificação da Federação e sendo oponente de ShtarRog e Maalel quando ele iniciou um projeto de perseguição e responsabilização de Satã e Toalk sobre a dualidade inserida de forma irresponsável sobre as civilizações mais primitivas. A líder e agente Zathia foi uma das que mais problemas teve que superar pela interferência desse antigo Brigadeiro, que ao encarnar como Draco do Império conhecia sua identidade parcialmente, e sabia da sua ligação secreta com Thot e Ashtar, tendo que passar por reconfigurações energéticas e genéticas para poder salvar-se. Zathia sustentou a sua situação em diversas encarnações, pois a consciência era permanente. O tempo comparativo estaria atualmente em torno de 3.500 anos humanos. No entanto, devido à capacidade de clonagem e troca de corpos, Zathia e seus amigos podiam se transportar para clones pessoais e prolongar suas vidas para valores em torno de 8 mil anos terrenos, tendo depois que deixar suas almas descansarem para poderem voltar a encarnar em outros corpos.

Personagens desta Saga pelo Poder

Império do Dragão Negro:

Toalk – Líder Na Constelação do Dragão (DRACO) no plano Espiritual de projeção.
SATÃ – Líder em Órion na projeção Espiritual.
Satanás – Lugar Tenente de Satã entre a 3ª a 6ª Dimensão de consciência e hologramas.
Anhotak – Projetor Psíquico do Projeto de Hologramas para a Galáxia como filho Paradisíaco da 15ª Dimensão, opositor do Lanonadek Lúcifer.
Maladenithy – Aspecto Feminino de polaridade para as realidades holográficas obsediadas.
Bashavi-Shiva-Relt – Responsável pela corrida corruptiva e guerras psíquicas de conquista.

Império de Órion:

Satanás – Líder Político e Militar de unificação dentro dos projetos holográficos para as Almas ingênuas e aprisionadas nas armadilhas psíquicas de poder e corrupção.
BAAL (Lúcifer) – Líder Espiritual e Criador responsável pelo Sistema de Auriga-Orionis, nas manifestações de Amor e polaridade desde a 2ª até a 13ª dimensões.
Metraton – Arcanjo Ancião mediador do projeto e consultor do Lanonadek Lúcifer.
Sandalfon – Arcanjo de Metraton, que penetra nas realidades psíquicas holográficas para mudar as regras do jogo manipuladas por Satã e Toalk.
Lilith – Líder Rebelde que enfrenta a ação criminosa do Império do Dragão Negro e procura restaurar a FÉ e a verdade sobre o Lanonadek Lúcifer.
Rowena – Líder Espiritual que se projeta nas realidades psíquicas dos hologramas difundindo a mensagem Crística, unificando as energias do polo Feminino.
Kwan Ying – Líder de Alnilan e do Portal Estelar 3, que sustenta o propósito da luz contra a ação dos Draconianos.

Alfa & Ômega Sirius :

Palanises – Líder política de Alfa & Ômega pacificadora das Federações e discípula do Conselho da Mãe Cósmica Maria.
Maitreya – Arquétipo holográfico manifestado nas realidades psíquicas da energia de Lord Miguel e Sananda para a galáxia.
Aeolo – Príncipe planetário de Sirius Alfa negociador com Lúcifer na correção dos programas sabotados.
Gueram – Mestre do Conselho Cármico Cósmico.
Maalel – Executor do Conselho Cármico e mediador das Almas contaminadas pela sabotagem de Toalk e Satã.
Lord Miguel Kumara – Logos Solar de Alfa & Ômega.
Lord Gabriel – Executor da Justiça e verdade de Alfa & Ômega.
Lord Ezequiel – Mensageiro da Misericórdia e amor incondicional de ajuda para as almas deturpadas.
Lord Uriel – Ancora a Fé e amor nos códigos genéticos dos hologramas, como uma extensão do DNA da Alma.
Lord Rafael – Restaurador do equilíbrio dos corpos psíquicos e cura da Alma.
Melchizedek Kuthumi – Sustentador da Luz e da verdade para os mensageiros infiltrados.
Sananda (Micahel) – Cristo manifestado do filho paradisíaco criador de Nebadon.
Shtareer – Engenheiro Sideral manifestado.

Federação Intergaláctica:

Alfius – Representante de Lira.
Antara – Representante de Altair.
Ganeshi – Representante da aliança central de Betelgeuse e 3 Marias de Orion.
Jeová – Representante das Plêiades.
Antoraquel – Representante das Plêiades.
Ashtar Sheran – Representante de Alfa Centauro.
Asthar Athenas – Representante de Antares.
Potolak – Representante Draconiano e Sábio cultural dos Anciões de Dias.
Shantoman – Líder Espiritual de Draco e pacificador.
ShtarRog – Projeção de Shtareer e guerreiro da luz junto a Ashtar Sheran.
Krothon – Representante de Arcturus e Conselheiro.

 

Este texto pode ser compartilhado desde que não seja alterado e cite a fonte: http://www.rodrigoromo.com.br


Conheça os vídeos à venda na Romomídia. Recomendação: Ascensão Terrena (link):

Neste vídeo, Rodrigo Romo explica os diferentes tipos de ascensão nos distintos Templos etéricos do plano espiritual. 

Após o desencarne, as almas acabam optando por uma nova realidade habitacional conforme sua frequência. Ele esclarece sobre as etapas seguintes de evolução e o status de ascensão que cada alma poderá sustentar sem a necessidade de voltar a encarnar na Terra para efetuar os seus resgates. Aqui são discutidos e desmistificados aspectos dogmáticos referentes à necessidade de múltiplas encarnações que é propagada em diversas linhas na espiritualidade. Você compreenderá a caminhada espiritual após ter desencarnado como trabalhador da Luz em sintonia com as diferentes frequências da Fraternidade Branca e do Comando Estelar, para desenvolver a ajuda ao próximo e reunificar suas próprias realidades paralelas ate à fusão com o corpo criogênico estelar e o retorno às Federações Estelares.