NASA IDENTIFICA BARREIRA CRIADA PELO HOMEM SUPOSTAMENTE “PROTEGENDO” A TERRA

Amigos e alunos,

A notícia abaixo traduzida do inglês do site Science Alert (link) tem sido divulgada recentemente nos meios de comunicação como sendo uma boa notícia, pois o homem teria criado involuntariamente uma barreira artificial em torno do planeta que estaria protegendo o planeta das massas coronais vindas do Sol.

Na verdade, como já alertamos anteriormente em diversos artigos sobre a atuação do SGS e dos poderes opostos ao despertar em massa da humanidade (aqui) (aqui), esta notícia se refere na verdade a uma barreira que tem a função de coibir a conexão psíquica com a nossa Origem. Essas energias estão interferindo bastante nas frequências espirituais, prejudicando o processo mediúnico convencional de canalização, de incorporação, dificultando que as entidades acoplem.

Em linhas gerais, essa barreira mantém a densidade e a negatividade planetária, dificultando às entidades e influenciando a linha de Eguns, pois nem todos têm consciência desta situação, diminuindo a qualidade das canalizações. Fazendo uma analogia, essa barreira dificulta a dispersão das energias densas e o processo de ascensão planetária da mesma maneira que ao se tentar fazer uma faxina, se a poeira não for retirada do local ela volta a se depositar sobre toda a superfície. Por esse motivo está mais difícil a limpeza e remoção definitiva dos contratos de aprisionamento terrestre. Enquanto a Barreira de Frequência está se dissipando, esta outra barreira de baixa frequência está fazendo oposição à liberação de energias e encaminhamento das entidades presas ao contexto planetário.

Por isso, meus amigos, volto a reiterar a necessidade do trabalho interno constante, para que cada um se torne responsável enquanto cocriador, com maior foco na sua Luz interna. Enquanto estivermos presos às emanações psíquicas de revolta, medo e culpa disseminadas pela mídia de massa, estaremos contribuindo para essa maior densidade planetária, intensificando essa “nova” barreira de frequência.

Em suas meditações, criem mentalmente um tubo de Luz ultrapassando essas barreiras e projetem-se juntamente com seu Ancoramento até o seu Sol Central, o seu Eu Sou.

Recomendo a meditação gravada em Portugal “A Cura Quântica e a Transformação” (abaixo) onde vocês poderão se conectar juntamente com o seu Ancoramento para além dessa barreira e criar a reconexão com as esferas superiores de Luz, solicitando a limpeza de contratos, remoção de implantes de controle e adquirindo informações e intuições genuínas, necessárias para o despertar de consciência e maior discernimento durante sua vida neste planeta.

Fiquem na Paz de seus Corações,

Rodrigo Romo

⇒ Meditação sugerida:

  • Para salvar a meditação em seu computador, clique com o botão direito do mouse sobre o título da meditação e selecione “salvar link como”.

As sondas espaciais da NASA detectaram uma barreira feita pelo homem circundando a Terra

Estamos mudando o próprio espaço.
BEC CREW 18 de maio de 2017

As sondas espaciais da NASA detectaram uma “barreira” maciça criada pelo homem que faz parte da Terra e os testes confirmaram que ela tem causado um efeito no clima espacial muito além da atmosfera do planeta.

Isso significa que não estamos apenas mudando severamente o planeta Terra. Tanto que os cientistas estão pedindo que uma nova época geológica seja nomeada depois de nossa existência, pois nossas atividades também estão mudando o espaço. Mas a boa notícia é que, ao contrário de nossa influência no próprio planeta, essa bolha gigantesca que criamos no espaço está trabalhando em nosso favor.

Em 2012 a NASA lançou duas sondas espaciais para trabalhar em conjunto entre si, enquanto passavam pelos cintos Van Allen da Terra a velocidades de cerca de 3.200 km/h (2.000 mp/h). Nosso planeta é cercado por duas barreiras de radiação (e uma terceira temporária) – a barreira interna se estende de cerca de 640 a 9.600 km acima da superfície da Terra, enquanto a correia externa ocupa uma altitude de aproximadamente 13.500 a 58.000 km (8,400 a 36,000 milhas).
Recentemente, as sondas Van Allen detectaram algo estranho ao monitorar a atividade de partículas carregadas capturadas no campo magnético da Terra – essas descargas solares perigosas estavam sendo mantidas a distância por algum tipo de barreira de baixa frequência.

Quando os pesquisadores investigaram, descobriram que esta barreira estava empurrando ativamente os cintos de Van Allen para longe da Terra nas últimas décadas e agora os limites mais baixos dos fluxos de radiação estão realmente mais distantes de nós do que na década de 1960.

Então, o que mudou? Um certo tipo de comunicações, chamadas de comunicações de rádio de muito baixa frequência (VLF), tornou-se muito mais comum agora do que nos anos 60 e a equipe da NASA confirmou que eles podem influenciar como e onde determinadas partículas no espaço se movem. Em outras palavras, graças à VLF, agora temos um clima espacial antropogênico (ou produzido pelo homem).

“Uma série de experimentos e observações descobriram que, sob as condições adequadas, os sinais de comunicação de rádio na faixa de frequência VLF pode de fato afetar as propriedades do ambiente de radiação de alta energia em torno da Terra”, diz, Phil Erickson do MIT Haystack Observatory de Massachusetts.

A maioria de nós não terá qualquer relação com os sinais VLF em nossa vida cotidiana, mas eles são um pilar em muitas operações de engenharia, científica e militar. Com frequências entre 3 e 30 quilohertz, eles são muito fracos para transportar transmissões de áudio, mas eles são perfeitos para a difusão de mensagens codificadas em longas distâncias ou profundidades subaquáticas. Um dos usos mais comuns dos sinais VLF é se comunicar com submarinos de profundidade, mas porque seus grandes comprimentos de onda podem difratar em torno de grandes obstáculos como montanhas, eles também são usados para alcançar transmissões através de terrenos acidentados.

Nunca foi a intenção dos sinais VLF ir a qualquer lugar que não fosse a Terra, mas descobriu-se que eles estavam vazando no espaço ao redor do nosso planeta por tempo suficiente para formar uma gigantesca bolha protetora. Quando as sondas Van Allen compararam a localização da bolha VLF com os limites das barreiras de radiação da Terra, eles encontraram o que inicialmente parecia uma coincidência interessante: “A extensão externa da bolha VLF corresponde quase exatamente à borda interna da radiação Van Allen Cintos “, diz a NASA.

Mas quando perceberam que os sinais de VLF podiam realmente influenciar o movimento das partículas carregadas dentro destas correias de radiação, perceberam que nossa barreira involuntária feita pelo homem foi progressivamente empurrando as barreiras para trás. Dan Baker, do Laboratório de Física Atmosférica e Espacial da Universidade do Colorado, agora se refere a ela como “barreira impenetrável”.

Embora a nossa bolha de VLF protetora seja provavelmente a melhor influência que os seres humanos tiveram no espaço que circunda o nosso planeta, certamente não é a única – estamos marcando o espaço desde o século XIX e, particularmente, nos últimos 50 anos, quando as explosões nucleares eram lançadas em larga escala. “Essas explosões criaram barreiras de radiação artificial perto da Terra que resultaram em grandes danos a vários satélites”, explica a equipe da NASA em seu novo relatório. “Outros impactos antropogênicos no ambiente espacial incluem experiências de liberação química, aquecimento de onda de alta frequência da ionosfera e a interação de ondas VLF com os cintos de radiação”.

O astrónomo Carl Sagan queria encontrar indícios inequívocos de vida na Terra do espaço – e finalmente, há muitos deles se você souber onde procurar.

A pesquisa foi publicada pela Science Space Reviews.

Mais fontes:

http://www.megacurioso.com.br/astronomia/102660-nasa-identifica-barreira-artificial-que-parece-proteger-a-terra.htm