OS SERES HUMANOS SÃO ORIGINÁRIOS DE GALÁXIAS MUITO DISTANTES

Amigos e alunos,

Esta matéria irá auxiliá-los a compreender boa parte dos textos canalizados, onde falo sobre a origem dos seres humanos e de toda a matéria ser de muito além de nossa galáxia. Este novo estudo ajudará na leitura do próximo livro que estou escrevendo sobre a estrutura dos Universos e a Supra Confederação Galáctica, que está em desenvolvimento.

Rodrigo Romo

OS SERES HUMANOS VIERAM DE GALÁXIAS MUITO DISTANTES DE ACORDO COM NOVO ESTUDO

Os seres humanos são formados a partir da matéria que voou bilhões de quilômetros de outra galáxia, de acordo com um novo estudo. Muitas coisas ao nosso redor e espalhadas por toda a Via Láctea são compostas por “matéria extragaláctica”, de acordo com a pesquisa.

O estudo usou modelos de computador para descobrir como a matéria em torno de nós veio a ser absorvida por nossa galáxia. Ele descobriu que as explosões de supernova lançam grandes quantidades de matéria das galáxias, as espalhando por todo o universo carregadas em poderosos ventos galácticos.

(Tradução das legendas do vídeo: Astrônomos descobriram que até 50% de todos os átomos de nossa galáxia podem ter viajado até aqui vindo de outras partes do espaço. Esta simulação de computador mostra o desenvolvimento de uma galáxia. No centro, a explosão de cores representa a galáxia principal. Enquanto que as bolas verdes são nuvens de partículas gasosas se movendo para dentro e para fora de galáxias vizinhas.)

Isso significa que a mesma matéria da qual somos feitos provavelmente começou sua vida em um tempo muito distante, antes de ser espalhada pelo universo.

“Considerando a quantidade de matéria da qual somos formados ter vindo de outras galáxias, poderíamos considerar-nos viajantes espaciais ou imigrantes extragalácticos. É provável que grande parte da matéria da Via Láctea tenha vindo de outras galáxias antes de ter sido expulsa por um vento poderoso, viajando pelo espaço intergaláctico e finalmente encontrando seu novo lar na Via Láctea. “disse Daniel Anglés-Alcázar, pós-doutorado no Northwestern’s Astrophysics Center.

A transferência intergaláctica – este movimento da matéria entre galáxias – é um fenômeno recentemente identificado e pode mudar fundamentalmente nossa compreensão de como as galáxias são formadas.

“Este estudo transforma a nossa compreensão de como as galáxias se formaram a partir do Big Bang. O que esse novo modo implica é que até metade dos átomos que nos rodeiam – inclusive no sistema solar, na Terra e em cada um de nós – não vem da nossa própria galáxia, mas de outras galáxias, até um milhão de anos-luz”, sisse Faucher-Giguère, co-autor do estudo.

Mesmo que a matéria tenha se espalhado pelo universo em centenas de quilômetros por segundo, a distância que a matéria teve que percorrer significa que ainda assim demorou bilhões de anos. Os cientistas realizaram o trabalho simulando o movimento da matéria através do universo, confiando no equivalente a milhões de horas de computação. Eles desenvolveram uma imagem detalhada do universo em seu início no Big Bang – e então usaram computadores para simular seus movimentos até o presente.

Essas simulações mostraram que a matéria mudou de galáxias menores para maiores, como a nossa própria Via Láctea. Esse gás, em seguida, formou estrelas e ajuda a representar até 50% da matéria em galáxias como a nossa.

No começo do universo, existia apenas um gás uniforme e nenhuma das estrelas ou galáxias que conhecemos ou habitamos hoje. Mas com o tempo, pequenos distúrbios começaram a unir as coisas, criando um efeito que se acelerou com a gravidade, ajudando a unir a matéria e eventualmente se instalando em galáxias, movendo-se em torno de um centro de massa.

“Nossas origens são muito menos locais do que pensávamos anteriormente. Este estudo nos dá uma ideia de como as coisas que nos rodeiam estão conectadas a objetos distantes no céu “, disse Faucher-Giguère, um membro da CIERA.

Esta simulação mostra o momento do nascimento de uma galáxia até o presente. A simulação à esquerda mostra a galáxia de frente, enquanto que a simulação à direita mostra a galáxia de lado. Acreditava-se que as galáxias se formavam ao absorver átomos provenientes do Big Bang. Mas esta simulação mostra que elas absorvem partículas de gás expelidas por outras galáxias. As galáxias expelem estas nuvens de gás quando estrelas explodem ao final de suas vidas em detonações de supernovas. Estas explosões são tão poderosas que podem enviar átomos para além de sua força gravitacional para outras galáxias. A Via Láctea absorve o equivalente a um Sol em material extragaláctico por ano. 

 

Fontes:

https://www.forbes.com/sites/bridaineparnell/2017/07/27/we-are-all-extragalactic-immigrants-from-galaxies-far-far-away/#6d93eeff6207

http://www.sci-techuniverse.com/2017/07/humans-came-from-distant-galaxies-along.html

https://www.theguardian.com/science/2017/jul/27/we-are-all-made-of-stars-half-our-bodies-atoms-formed-beyond-the-milky-way