Efeitos dos fatores geomagnéticos e solares sobre os humanos

Amigos e alunos,

Compartilhamos uma matéria interessante para que comprendam que os pulsos de energia do Sol acabam intensificando as radiações que a humanidade produz, como no caso das ondas WI-FI que são altamente nocivas e em determinado grau relacionadas com doenças como o câncer. A humanidade está exposta diariamente a estas radiações como telefones celulares e todos os outros aparelhos sem fio que operam via wi-fi e radio frequência.

Enquanto que em alguns aspectos a radiação solar possa ser benéfica à humanidade, favorecendo seu despertar consciencial, sabemos que muitos têm passado por desequilíbrios energéticos e físicos devido a essas radições, juntamente com vários outros aspectos já abordados em artigos anteriores. É recomendado que cada um observe-se perante as mudanças ocorridas no Planeta e busque seu equilíbrio interno.


Texto traduzido da matéria publicada em 26/07/17 do site HeartMath (fonte em inglês) 

“Todos os sistemas biológicos na Terra estão expostos a um ambiente externo e interno de campos magnéticos invisíveis variáveis de uma ampla gama de frequências. Esses campos podem afetar praticamente todas as células e circuitos em maior ou menor grau”.

– Sincronização de Ritmos do Sistema Nervoso Autônomo Humano com Atividade Geomagnética em Humanos, um estudo recentemente publicado no International Journal of Environmental Research and Public Health.

Uma equipe de pesquisa que conduziu e publicou o estudo citado acima adicionou evidências adicionais à compreensão da comunidade científica de como os sistemas nervosos autônomos humanos respondem às influências do meio ambiente. Neste estudo, essas influências apresentam resultados, entre outros fatores, de mudanças na atividade solar e geomagnética, nos raios cósmicos e nas freqüências conhecidas como ressonâncias Schumann.

Ressonância Schumann – crédito da animação: NASA/Goddard Space Flight Center

Dirigido pelo Diretor de Pesquisa do Instituto HeartMath Dr. Rollin McCraty, a equipe de pesquisa também descobriu que os ritmos de variação da freqüência cardíaca dos participantes do estudo foram sincronizados um com o outro notavelmente durante o período de estudo de mais de quatro semanas. Isso apesar dos participantes estarem em locais separados.

“Este estudo foi único”, escrevem os autores, por várias razões: “primeiro, utilizou-se o monitoramento contínuo da VFC (variação da freqüência cardíaca) ao longo de um período de 31 dias em um grupo de indivíduos que seguiram seu dia-a-dia normal. Então, por acaso, ocorreram várias mudanças dinâmicas no raio solar, cósmico e magnético que permitiram a oportunidade de examinar como o Sistema Nervoso Autônomo do grupo respondeu a essas várias mudanças .

Enquanto um foco central do estudo estava adquirindo novos dados sobre os efeitos dos vários fatores mencionados acima na atividade do sistema nervoso autônomo, os pesquisadores esperam que esses e futuros achados relacionados possam ajudar a beneficiar a saúde e o bem-estar dos humanos.

Por que Variabilidade da Frequência Cardíaca?

HRV (ou VFC) é a mudança natural nos intervalos de tempo entre pares adjacentes de batimentos cardíacos. Ele fornece uma medida fisiológica real da atividade e dinâmica do sistema nervoso autônomo humano. Assim, quando a VFC dos participantes aumentou ou diminuiu, os pesquisadores puderam fazer determinações correspondentes de como seus sistemas nervosos autônomos estavam sendo influenciados ou alterados.

Uma das descobertas sugeriu, por exemplo, que a atividade do sistema nervoso parasimpático é aprimorada durante períodos de aumento do fluxo de radiação solar (um índice que mede a atividade de ondas de rádio de alta freqüência solar) e os raios cósmicos. (O sistema nervoso parasimpático, às vezes chamado de sistema de restrição e resfriamento, nos ajuda a economizar energia ao diminuir a freqüência cardíaca, aumentar a atividade intestinal e glandular e relaxar os músculos do esfíncter no trato gastrointestinal).

Os pesquisadores observaram que “um estudo anterior também descobriu que um aumento no índice do fluxo de radiação solar estava associado a menor fadiga, aumento do efeito positivo e clareza mental, enquanto o aumento do SWS (velocidade do vento solar) teve efeitos opostos”.

É importante entender como o estudo explica e a pesquisa HeartMath mostrou, o nível de Variação da Frequência Cardíaca de cada indivíduo é crítica em sua saúde geral.

Baixos níveis de VFC ajustados por idade indicam estresse crônico, patologia ou funcionamento inadequado em vários níveis de sistemas de controle regulatório no neuroaxis (o eixo do sistema nervoso central) e é preditivo em todos os casos de mortalidade.”

“Níveis saudáveis de VFC indicam resiliência psicológica, flexibilidade comportamental e capacidade para se auto-regularem efetivamente e para se adaptar às mudanças das demandas sociais ou ambientais, a sensação de coerência, os traços de caráter pessoal da auto direcionamento e o desempenho nas tarefas de desempenho cognitivo que exigem funções executivas”.

“Houve fortes correlações positivas entre os raios cósmicos e as variáveis de VFC, sugerindo uma resposta benéfica aos aumentos nos raios cósmicos”.

Raios cósmicos: isso é bom ou ruim?

Entre as várias atividades, os cientistas observaram a ocorrência ou declínio normal dos raios cósmicos. Os raios cósmicos são núcleos atômicos altamente energéticos ou outras partículas que viajam pelo espaço a velocidades que se aproximam da velocidade da luz, 186 mil milhas por segundo. Durante a primeira parte deste estudo, houve uma diminuição acentuada no número de contagens de raios cósmicos que ocorrem normalmente devido ao aumento da velocidade do vento solar, que parece estar associado a medidas de VFC reduzidas, observa o estudo. Isso é importante porque, de acordo com um estudo anterior, “houve fortes correlações positivas entre os raios cósmicos e as variáveis de VFC, sugerindo uma resposta benéfica aos aumentos nos raios cósmicos. Outros estudos também sugeriram efeitos benéficos, pelo menos em populações saudáveis”.

Poder da Ressonância Schumann e seu Coração

As Ressonâncias Schumann são as freqüências eletromagnéticas das cavidades inferiores da ionosfera terrestre. As radiações eletromagnéticas causadas por tempestades elétricas são fontes das oscilações das ELF (frequências extremamente baixas) afetando a ressonância Schumann.

Durante os períodos magnéticos mais silenciosos, o poder de ressonância de Schumann (SRP) “parece desempenhar um papel importante na sincronização dos ritmos cardíacos de baixa onda das pessoas. A importância potencial desses ritmos é desconhecida atualmente, mas (eventualmente) pode ser importante para entender melhor a saúde e bem estar humano”.

Enquanto pesquisas adicionais são necessárias para obter uma compreensão mais completa de como a SRP afeta os ritmos cardíacos, os autores do estudo afirmam que seus achados sugerem “um efeito benéfico do aumento de SRP, que também foi apoiado pelas descobertas de pressão arterial diastólica, sistólica e média reduzida durante Períodos de SRP mais elevados”.

O poder da Ressonância Shumann

Apesar de algumas das várias implicações de efeitos positivos ou negativos, este estudo mostrou a diversidade de atividade geomagnética e solar e outros fatores ambientais para os participantes, os autores classificaram os resultados observando o seguinte. “Verificou-se que os indivíduos têm diferentes graus de sensibilidade aos campos magnéticos da Terra e podem até responder de maneiras opostas às mudanças na mesma variável ambiental”.

“Os sistemas reguladores humanos são projetados para se adaptar às variações climáticas e geomagnéticas diárias e sazonais; no entanto, mudanças acentuadas na atividade solar e geomagnética e tempestades geomagnéticas podem enfatizar esses sistemas regulatórios, resultando em alterações no equilíbrio da melatonina / serotonina, pressão sanguínea, sistema imunológico, processos reprodutivos, cardíacos e neurológicos “.

Estudo completo em inglês: http://www.mdpi.com/1660-4601/14/7/770

ATIVIDADE SOLAR RECENTE:

MATÉRIAS E VÍDEOS DE RODRIGO ROMO SOBRE O COLAPSO SOLAR: