MEMÓRIA QUÂNTICA E MIASMAS NO TEMPO

TEXTO PARTE DO LIVRO MIASMAS E ELEMENTAIS – MATERIAL DIDÁTICO DO CURSO MIASMAS E ELEMENTAIS, QUE ACONTECERÁ EM 29 E 30 DE SETEMBRO EM CURITIBA

Os MIASMAS (que são o lixo ou o resíduo deixado pelos elementais de raiva, inveja, medo, etc, gerados pelo fluxo mental e emocional do ser humano) podem ter sido inseridos em vidas passadas e ficam registrados como padrões de memória familiar, o que costumamos designar como arquétipos de família. Isso é, na verdade, memória celular de ordem hereditária na família, que pode ter sido codificada, por exemplo, há centenas de anos quando essa família se formou. Essa codificação se manifesta na maior parte das pessoas, com afinidade hereditária dentro desse contrato e dos progenitores que o geraram.

A condição para que essa codificação possa atuar nos herdeiros genéticos é o aspecto astral onde essa alma foi programada para armazenar determinadas configurações da programação familiar, permitindo que, com o tempo, quando essa alma estiver em seu processo de amadurecimento hormonal, ela reproduza a codificação dos implantes e do carma familiar, ficando presa na mesma malha holográfica que seus antecessores.

A malha é preparada de forma a garantir que essa condição se cumpra e o único meio para desfazer isso é quando a pesso busca ajuda no plano espiritual, sem fanatismo e permite que seus amparadores a ajude a romper essa programação. Muitas vezes essa programação aparece como se fosse um feitiço de vidas passadas ou mesmo uma maldição, pois é a leitura que as pessoas fazem.

Se analisarmos de uma forma mais profunda, até que não é errado, pois uma programação dessas não deixa de ser uma maldição, já que deixa uma família inteira à mercê de um contrato que foi realizado na ilusão de um período diferente de nossa atual realidade.

Implantar memórias, portanto, é algo simples que atua partindo das programações do astral e, por essa razão, quanto menos dogmas a pessoa possuir, menor é a possibilidade de ela ser aprisionada no astral. Quanto mais aprendemos a nos libertar dos nossos miasmas, mais fácil é sair da Roda de Samsara e assim iniciar a primeira ascensão, que é sair do ciclo encarnacional.

Quando isso ocorre deixamos os aspectos emocionais da dualidade guiar a nossa vida e permitimos apenas a energia dos hologramas e dos parâmetros sociais sustentarem os parâmetros de nossas vidas. Quando iniciamos o processo de silenciar a mente e aprender a ouvir o coração e os planos superiores, começamos a jornada rumo ao sagrado interno da nossa espiritualidade.

Esse procedimento começa a sedimentar o contato com os planos dos mestres da Fraternidade Branca e com isso, automaticamente a codificação da ascensão. Portanto, nós também temos como criar a condição da codificação da nossa ascensão, porém, isso implica em romper parâmetros hereditários da ilusão.

Quando o indivíduo compreende isso e inicia um processo interno pessoal de libertação dos seus miasmas, ele corta com muitas atitudes e realidades à sua volta, justamente cocriando um novo universo ao seu redor, que lhe confere uma nova etapa em sua vida. Esse procedimento rompe a linha temporal de miasmas e de carma em relação às vidas passadas.

Livro Miasmas e Elementais

ÚLTIMAS VAGAS PARA O CURSO EM CURITIBA EM 29 E 30 DE SETEMBRO/18. CLIQUE PARA VER A DESCRIÇÃO COMPLETA DO CURSO E ACESSAR A FICHA DE INSCRIÇÃO

Essa nova programação na vida de vocês requer apenas o discernimento entre o reto agir e a decantação das ilusões que a realidade atual apresenta. Quando vocês aprenderem a ouvir o coração e a silenciar a mente, os hologramas de controle perdem a força sobre vocês, iniciando sua jornada rumo à ascensão, pois não há mais a necessidade de voltar a encarnar na realidade terrestre do corpo físico, tornando-se automaticamente a condição astral sua próxima linha evolutiva.

O caminho que cada um seguirá será definido apenas por vocês através de suas escolhas. Apresento a vocês um caminho, entre outros, obviamente. Mas independente do caminho, o mecanismo é importante.

Quando iniciamos a captação de realidades paralelas de nossa ancestralidade estelar das federações, captamos miasmas na linha temporal do futuro ou do passado. Porém, de um fluxo astral de outras civilizações que, na verdade, estão codificadas em nosso corpo criogênico ou mesmo em almas gêmeas vivendo em outros planos. Com a aproximação do Cinturão de Fótons temos uma coesão de realidades que está ativando a percepção sensorial da humanidade para o quesito estelar e vida em outros planetas, e isso automaticamente conecta a humanidade a outras realidades em planos de existência paralela à da Terra, criando a conexão dos miasmas de memória celular junto ao corpo Morontial e Átmico.

Esse processo é um avanço no aspecto espiritual da humanidade que, aos poucos, a liberta das tímidas convicções religiosas de um deus único dogmático e cruel, gerando a permeabilidade para a questão de outros deuses provenientes de planetas e dimensões além da realidade terrestre. O processo permite a canalização de planos sutis e, ao mesmo tempo, a quebra de contratos de submissão. Porém, também gera a condição de fanatismo para com a possibilidade de seres do espaço ajudando a humanidade a superar seus problemas, o que já está criando um outro holograma: que esses seres são nossos salvadores e novamente mais uma muleta está sendo criada.