TERREMOTOS DO SÉCULO 20

Amigos, compartilhamos com vocês uma animação desenvolvida pelo site SCIENCE ON A SPHERE (fonte), que mostra como o nosso planeta se transforma a cada momento. Em especial, no que se refere aos abalos sísmicos ocorridos nos últimos 100 anos.

Esta animação mostra todos os terremotos registrados em seqüência como ocorreram de 1 de janeiro de 1901 a 31 de dezembro de 2000, a uma taxa de 1 ano por segundo. Os hipocentros do terremoto aparecem primeiro como flashes e depois permanecem como círculos coloridos antes de encolherem com o tempo para não obscurecer os terremotos subsequentes. O tamanho do círculo representa a magnitude do terremoto, enquanto a cor representa sua profundidade dentro da Terra. No final da animação, primeiro mostrará todos os terremotos neste período de 100 anos. Em seguida, mostrará apenas os terremotos com magnitude superior a 6,5, o menor tamanho de terremoto conhecido por causar um tsunami. Ele mostrará apenas os terremotos com magnitude de 8,0 ou maior, os grandes terremotos com maior probabilidade de representar uma ameaça de tsunami quando ocorrem sob o oceano ou perto de um litoral e quando são rasos dentro da terra (menos de 100 km ou 60 mi de profundidade). A animação conclui mostrando as falhas de limite da placa responsáveis ​​pela maioria de todos esses terremotos.

A era moderna da sismologia do terremoto – o estudo científico dos terremotos – começou no século XX com a invenção do sismômetro e sua implantação em redes de instrumentos para registrar e medir terremotos à medida que ocorrem. Portanto, quando a animação começa, apenas os maiores terremotos aparecem, já que foram os únicos que puderam ser detectados a grandes distâncias com os poucos instrumentos disponíveis naquele momento. Mas à medida que o tempo avança, mais e mais sismógrafos foram implantados e terremotos cada vez menores podem ser registrados. Por exemplo, note que na década de 1930 muitos pequenos terremotos de repente parecem aparecer na Califórnia, mas essa ilusão resulta da instalação de mais e mais instrumentos naquela região. Da mesma forma, parece haver um salto no número de terremotos globalmente na década de 1970.

A sismologia do século XX revelou a distribuição geográfica global de terremotos e ajudou a solidificar a Teoria da Tectônica de Placas. Observe como os epicentros do terremoto não ocorrem aleatoriamente no espaço, mas formam padrões sobre a superfície da Terra, revelando as fronteiras entre as placas tectônicas mostradas no final desta animação. Este período de tempo também inclui alguns eventos notáveis, incluindo aqueles que geraram tsunamis devastadores:

  • 8.8 – Equador – 31 de janeiro de 1906
  • 8.4 – Kamchatka, Rússia – 3 de fevereiro de 1923
  • 8.4 – Sanriku, Japão – 2 de março de 1933
  • 8.6 – Ilha Unimak, Ilhas Aleutas – 1 de abril de 1946
  • 9,0 – Kamchatka, Rússia – 4 de novembro de 1952
  • 8.6 – Ilhas Andreanof, Ilhas Aleutas – 9 de março de 1957
  • 9.5 – Valdivia, Chile – 22 de maio de 1960
  • 9.2 – Prince William Sound, Alasca – 28 de março de 1964
  • 8.7 – Ilhas do Rato, Ilhas Aleutas – 4 de fevereiro de 1965
  • Esses terremotos representam alguns dos maiores já registrados. Note como todos eles ocorrem em um tipo particular de limite de placa, zonas de subducção onde as placas tectônicas colidem, portanto estas são as regiões onde esperamos que futuros tsunamis devastadores sejam gerados.

FONTE: SCIENCE ON A SPHERE