NANOTECNOLOGIA PRESENTE NOS ALIMENTOS E NO MEIO AMBIENTE

Amigos, compartilhamos com vocês informações sobre nanotecnologia e como nanopartículas fazem parte de nosso dia-a-dia, presentes nos alimentos, água, ar. São largamente utilizadas nas indústrias alimentícias, farmacêuticas, com qualidades e aplicações infinitas. E também dispersadas através dos “Chemtrails” ou rastros químicos jogados no ar por aviões como agentes químicos ou biológicos, deliberadamente pulverizados a grandes altitudes, com propósitos secretos ao público, causando danos à saúde da população. O maior problema é que não existem estudos publicados (ou disponíveis publicamente) sobre as consequências para a saúde e para o meio ambiente devido ao seu uso a longo prazo e seu efeito cumulativo.

Textos extraídos e traduzidos no estudo publicado em Science Direct – fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1878535217300990


A nanotecnologia é amplamente aplicada em nossa vida cotidiana e está mudando toda a sociedade. Ela começou a ser utilizada na agricultura e indústria de alimentos em 2003, quando o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos publicou o primeiro roteiro em 9 de setembro de 2003. Pesquisas sobre esse assunto dispararam na última década. Nanomateriais cobrem quase todos os aspectos da indústria de alimentos e agricultura, incluindo agricultura, irrigação / filtragem de água, processamento e embalagem de alimentos, ração animal e aquicultura. Além da indústria de medicamentos.

O setor de alimentos e bebidas é uma indústria global de trilhões de dólares. Estima-se que o impacto econômico global da nanotecnologia seja de pelo menos US $ 3 trilhões até 2020, o que pode envolver seis milhões de trabalhadores nas crescentes indústrias de nanotecnologia em todo o mundo. Isso é muito atraente e tem impulsionado muitas empresas de alimentos envolvidas no desenvolvimento e comercialização de novos nanomateriais de base, para melhorar a eficiência da produção, características dos alimentos, sabor e segurança. Incrivelmente, existem centenas de produtos que já foram comercializados e usados ​​no setor de alimentos na última década. A maioria desses produtos é utilizada “fora do alimento”, mas “dentro” da indústria de alimentos, ou seja, alimentos que entram em contato com materiais, mas não são diretamente consumidos pelas pessoas. Nenhum novo nanomaterial foi colocado diretamente na alimentação humana ainda, exceto dióxido de titânio e óxido de ferro que têm sido usados ​​como pigmento alimentar e corante, respectivamente. A razão fundamental é que a regulamentação e a legislação são muito limitadas em relação à nanotecnologia, especialmente devido à complexidade dos nanomateriais e procedimentos legislativos.

Uma causa mais profunda da regulamentação limitada é o conhecimento insuficiente de toxicidade e risco que os novos nanomateriais poderiam acarretar. Muitos estudos concentram-se na toxicidade in vitro de nanomateriais, enquanto muito poucos dados de toxicidade in vivo estão disponíveis, para não mencionar o efeito crônico de nanomateriais (especialmente nanopartículas de metal). Várias lacunas ainda precisam ser preenchidas: toxicidade do nanomaterial para células dos mamíferos, tecidos / órgãos e efeito crônico para o corpo humano; migração de nanomateriais para alimentos; degradação ou destino ambiental dos nanomateriais; bioacumulação de nanomateriais e seu impacto nos ecossistemas.

Outro aspecto importante é a aceitação pública, que é frequentemente ignorada por pesquisadores, fabricantes e autoridades. Em última análise, são elas que determinam se a nanotecnologia pode ou não ser aplicada e/ou aceita pelos clientes. Os nanomateriais podem e têm sido amplamente aplicados em todos os aspectos da indústria de alimentos, desde a agricultura, processamento, armazenamento e transporte de alimentos até o nosso prato. Independentemente de a população consumir ou não esses novos nanoalimentos, os resíduos acabarão sendo descartados no meio ambiente e provocarão impactos específicos na flora, fauna e ecossistemas. Infelizmente, essa informação é muito restrita. Para piorar, o método de descarte adequado ainda não foi mencionado por pesquisadores, empresas de alimentos ou agências governamentais. Além disso, os dados de toxicidade in vivo dos nanomateriais são muito insuficientes, especialmente o efeito crônico potencial em órgãos humanos.

(nota do Portal Shtareer) São poucos os artigos que realmente apresentam os riscos ou os efeitos nocivos de nanopartículas presentes nos alimentos. Faça sua busca e você poderá constatar. Pois a maioria das publicações defende o uso irrestrito, dizendo que os estudos contrários, utilizaram quantidades muito superiores ao uso regular de nanopartículas em alimentos. No entanto, os estudos não consideraram a ingestão de nanopartículas através de diferentes formas e não apenas através de alimentos diretamente, mas através do ar e da água e de objetos utilizados no dia-a-dia que contêm nanopartículas que podem entrar na rede sanguínea e na atmosfera.

Síntese de nanomateriais com morfologias desejáveis ​​de estruturas metal-orgânicas para várias aplicações.

Um artigo do Jornal Medical News Today de fevereiro de 2019 diz:

Nanopartículas em alimentos podem alterar o comportamento das bactérias intestinais

Pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Mainz, na Alemanha, e colegas de outros centros na Alemanha, Áustria e Estados Unidos descobriram que as partículas ultraminúsculas podem se ligar às bactérias do intestino.

Em um estudo sobre seu trabalho – que agora aparece na revista científica Science of Food – os autores explicam como as nanopartículas podem alterar o ciclo de vida das bactérias intestinais e suas interações com o corpo do hospedeiro.

Os resultados devem ser úteis tanto para a medicina quanto para a indústria de alimentos. Eles poderiam, por exemplo, levar a pesquisas sobre o uso de nanopartículas em probióticos.

Um exemplo disso é a observação dos cientistas de que as nanopartículas sintéticas podem prevenir a infecção pelo Helicobacter pylori. H. pylori é uma bactéria que cresce no revestimento do estômago humano. É de grande interesse para muitos cientistas, devido à sua complexa relação com o câncer.

“Antes de nossos estudos”, diz o autor sênior do estudo, Roland H. Stauber, professor do Departamento de Otorrinolaringologia, Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Centro Médico da Universidade de Mainz, “ninguém realmente olhou se e como os nano-aditivos influenciam diretamente a flora gastrointestinal”. “

Em comparação com partículas maiores derivadas dos mesmos materiais, as nanopartículas têm uma área superficial muito maior em relação ao seu tamanho, têm “maior movimento browniano” e são capazes de atravessar barreiras biológicas. Essas barreiras incluem a camada de muco que reveste tecidos como o intestino.

Por estas razões, seu destino no intestino humano é muito diferente do das contrapartes de maior escala derivadas dos mesmos materiais. De acordo com os autores do estudo, “é, portanto, importante garantir que todos os ingredientes alimentados com nano sejam seguros para aplicação em alimentos”.

Os microorganismos do intestino são compostos principalmente por bactérias; eles também incluem fungos, vírus e organismos unicelulares chamados protozoários. Os cientistas usam o termo microbioma intestinal para se referir à soma de todos os genomas dos trilhões de microrganismos no intestino.

Os 3 milhões de genes no microbioma intestinal superam largamente os 23.000 no genoma humano. Eles também produzem milhares de pequenas moléculas que executam muitas funções no hospedeiro humano. Dessa forma, as bactérias do intestino ajudam a digerir os alimentos, coletar energia, controlar a imunidade e proteger contra patógenos. No entanto, desequilíbrios no microbioma intestinal podem perturbar essas funções cruciais para desencadear doenças ou não protegê-las. Estudos associaram o desequilíbrio no microbioma a doenças cardiovasculares, alergias, câncer, obesidade e condições psiquiátricas.

Todas as nanopartículas se ligam às bactérias do intestino

O Prof. Stauber e seus colegas montaram experimentos nos quais eles puderam examinar os efeitos de uma ampla gama de nanopartículas sintéticas. Esses experimentos simularam as jornadas que as diferentes partículas podem fazer enquanto viajam pelas diferentes partes do intestino e encontram várias bactérias. O principal resultado foi que todos os “aditivos alimentares atualmente usados ​​ou em potencial em nanotecnologia” mostraram capacidade de se ligar a bactérias no intestino.

As nanopartículas se ligam a todos os tipos de bactérias, incluindo as espécies “probióticas” que podem se reproduzir em produtos lácteos, como o iogurte. Enquanto todas as nanopartículas sintéticas testadas se ligavam a bactérias, os pesquisadores notaram diferenças em suas propriedades de ligação.

Quando ligadas a nanopartículas, as bactérias alteram seu comportamento de algumas maneiras que podem ser benéficas e de outras maneiras que podem não ser benéficas.

Um resultado potencial que pode ser benéfico é a inibição de infecções, por exemplo, por H. pylori. A equipe fez esta descoberta ao experimentar nanopartículas de sílica em culturas de células.

No entanto, uma perspectiva potencialmente preocupante que surgiu em outros experimentos foi que a ligação a nanopartículas poderia tornar algumas bactérias hostis menos visíveis para o sistema imunológico. Tal resultado poderia aumentar as respostas de inflamação, por exemplo.

Um ponto importante que os autores fazem é que o alimento também contém nanopartículas que ocorrem naturalmente – algumas das quais podem entrar na comida durante a preparação.

(fonte: https://www.medicalnewstoday.com/articles/324348.php)

Diferentes formas de NPs de ouro, sintetizadas por diferentes técnicas.

O estudo da Science Direct continua:

A avaliação minuciosa e precisa da nanotoxicologia se torna fundamental para a engenharia segura, manuseio e uso de nanomateriais em alimentos e produtos agrícolas. Além disso, as metodologias atuais normalmente usadas para a toxicologia fornecem pouca informação útil para que os químicos melhorem seu projeto sustentável para uso em larga escala. Além de muitas pesquisas progredirem sobre danos celulares in vitro e in vivo, os dados toxicológicos ainda são amplamente limitados para se chegar a qualquer afirmação conclusiva do padrão geral de exposição a nanomateriais e impacto tóxico sobre a saúde humana. O limite em geral é devido à complexidade das interações nano-bio-eco. O custo é alto e os dados gerados são limitados para análises tradicionais in vitro e in vivo, com foco em endpoints e processos limitados, como produção de ROS, danos no DNA, respostas imunes e muitos outros.

Toxicidade de Nanopartículas (NPs)

Além de muitas aplicações industriais e médicas, existem certas toxicidades associadas a NPs e outros nanomateriais e conhecimento básico é necessário para que esses efeitos tóxicos sejam analisados apropriadamente. NPs entram no ambiente através da água, solo e ar durante várias atividades humanas. No entanto, a aplicação de NPs para o tratamento ambiental injeta deliberadamente ou deposita NPs modificados no solo ou nos sistemas aquáticos. Isso tem atraído, consequentemente, crescente preocupação de todas as partes interessadas. As vantagens das NPs magnéticas, como seu pequeno tamanho, alta reatividade e grande capacidade, podem se tornar fatores potencialmente letais ao induzir efeitos tóxicos e nocivos celulares adversos, incomuns em contrapartes de tamanho mícron. Estudos também ilustram que NPs podem entrar em organismos durante a ingestão ou inalação e podem translocar dentro do corpo para vários órgãos e tecidos onde as NPs têm a possibilidade de exercer a reatividade sendo efeitos toxicológicos. Embora alguns estudos também tenham abordado os efeitos toxicológicos de NPs em células animais e células vegetais, os estudos toxicológicos com NPs magnéticas em plantas até o momento ainda são limitados. As utilizações de NPs em numerosos produtos de consumo levam-nos à sua libertação no meio aquático, exercendo assim efeitos tóxicos em organismos aquáticos, incluindo bactérias, algas, peixes e dáfnias (crustáceos). O sistema respiratório representa um alvo único para o potencial de toxicidade das NPs, pois além de ser o portal de entrada das partículas inaladas, também recebe todo o débito cardíaco.

NPs são amplamente utilizadas em aplicações biológicas, mas apesar do rápido progresso e da aceitação precoce da nanobiotecnologia, o potencial para efeitos adversos à saúde devido ao prolongamento da exposição em vários níveis de concentração em humanos no ambiente ainda não foi estabelecido. No entanto, espera-se que o impacto ambiental das NPs aumente no futuro. Uma das toxicidade das NPs é a capacidade de se organizar em torno da concentração de proteínas que depende do tamanho das partículas, da curvatura, da forma e da carga das características da superfície, dos grupos funcionalizados e da energia livre. Devido a esta ligação, algumas partículas geram resultados biológicos adversos através do desdobramento de proteínas, fibrilação, reticulação de tiol e perda de atividade enzimática. Outro paradigma é a liberação de íons tóxicos quando o propriedades termodinâmicas dos materiais favorecem a dissolução das partículas em meio de suspensão ou ambiente biológico.

As NPs tendem a se agregar em água dura e água do mar e são muito influenciados pelo tipo específico de matéria orgânica ou outras partículas naturais (coloides) presentes na água doce. O estado de dispersão alterará a ecotoxicidade, mas muitos fatores abióticos que a influenciam, como pH, salinidade e presença de matéria orgânica, ainda precisam ser sistematicamente investigados como parte de estudos ecotoxicológicos.

LEITURA RECOMENDADA: EM UM MUNDO TÓXICO, COMO NÃO SER CONTAMINADO?