O QUE O VATICANO, A CIA E A MÁFIA TÊM EM COMUM

Compartilhamos com vocês um texto que expõe a aliança nefasta entre religião, política, sistema financeiro, narcotráfico. Parte de um sistema de controle de massas, que sustenta o Sinistro Governo Secreto através das ideologias políticas e jogo de forças entre direita e esquerda, luz e trevas, cristos e anti-cristos. O objetivo é ajudá-los na quebra de contratos de submissão religiosa e para que compreendam, finalmente, como explicado frequentemente nos cursos, lives e livros, que o processo ascensional e o despertar espiritual é individual e não depende de instituições, dogmas, rituais e falsos deuses.

Texto relacionado para maior compreensão sobre a ligação do Vaticano com o SGS, mencionado na última live de Rodrigo Romo: Conexão Reptiliana entre o Vaticano e judeus khazares Rothschild através do Estado (Deep State) Profundo

A aliança entre a CIA e o Vaticano

Trecho da Operação Gladio: A Aliança Profana entre o Vaticano, a CIA e a Máfia, de Paul L. Williams (Prometheus Books, 2015).

Fonte: http://churchandstate.org.uk/2016/03/the-alliance-between-the-cia-and-the-vatican/

Capítulo 3: A Aliança do Vaticano

O Instituto de Obras Religiosas (IOR), comumente referido como Banco do Vaticano, é uma instituição financeira de capital fechado localizada dentro da Cidade do Vaticano. Fundado em 1942, o papel do IOR é proteger e administrar propriedades destinadas a obras de religião ou caridade. O banco aceita depósitos apenas dos principais funcionários e entidades da Igreja, de acordo com o estudioso jurídico italiano Settimio Caridi. É administrado por um presidente, mas supervisionado por cinco cardeais que se reportam diretamente ao Vaticano e à secretaria de Estado do Vaticano. Como pouco se sabe sobre as operações e transações diárias do banco, ele costuma ser chamado de “o banco mais secreto do mundo”.

Criado pelo Papa Pio XII e Bernardino Nogara em 27 de junho de 1942, o Istituto per le Opere di Religione (IOR), comumente conhecido como Banco do Vaticano, está localizado dentro do Bastião de Nicolau V, uma torre redonda que foi construída em 1452 para afastar a ameaça de uma invasão sarracena. O banco continua sendo uma agência financeira soberana dentro de um estado soberano. É uma entidade em si mesma, sem vínculos corporativos ou eclesiásticos com qualquer outra agência da Santa Sé. Como tal, não pode ser obrigado a reparar erros – nem mesmo as violações mais flagrantes do direito internacional. Nem pode ser forçado a liberar a fonte de qualquer depósito. O banco reside sob a jurisdição direta do papa. Ele é o dono; ele o controla. [1] Guardas suíços ficam em guarda, vigiando a entrada do banco e as portas de bronze hermeticamente fechadas se abrem apenas para membros seletos da Cúria Romana – o corpo governante de toda a Igreja Católica Romana. [2]

Nogara, que se tornou o primeiro presidente do IOR, iniciou um processo de destruição de todos os registros das transações do banco, incluindo depósitos e investimentos, regularmente, para que suas operações permanecessem livres e longe do escrutínio público e privado. Qualquer pessoa que busque informações sobre os negócios do banco, mesmo sua organização corporativa, descobre pouco mais do que pastas de arquivos vazias nos arquivos do Vaticano. As trilhas de papel fluem entre três conselhos de administração distintos e separados. Um conselho é formado por cardeais de alto escalão, o segundo de banqueiros internacionais e o terceiro de autoridades financeiras do Vaticano. Mas mesmo esses registros não podem ser intimados para inspeção. Eles permanecem documentos confidenciais do Estado soberano que só podem ser examinados com permissão especial do papa. [3]

Obviamente, a Santa Sé publica respeitosamente relatórios financeiros anualmente. Os relatórios, exibindo ganhos e perdas, parecem ser exaustivos. Eles contêm registros meticulosos das receitas e despesas de todas as agências da Santa Sé – exceto do IOR.

O nome desta agência nunca aparece em nenhum balanço. De todos os relatórios publicados, essa entidade eclesiástica é inexistente e a Igreja Católica Romana sobrevive apenas como uma instituição precária. [4]

Os investigadores que seguem a trilha do papel inevitavelmente chegam a um beco sem saída. Todos os documentos internos e relatórios externos contêm declarações que isentam o Banco do Vaticano, ou IOR, de qualquer decisão ou padrão protocolar. Eles são pontuados por frases como “sempre deixando intacto o caráter especial do IOR”, “não incluindo o IOR” ou “com total respeito ao status jurídico do IOR”. [5]

Por causa de seu funcionamento clandestino, milhões podem ser depositados no IOR de forma contínua e canalizados para contas bancárias suíças numeradas sem a possibilidade de detecção. Sendo o lugar perfeito para a CIA e a máfia siciliana lavarem seus ganhos ilícitos do comércio de narcóticos e para a Igreja romana financiar sua missão política. [6] E, de acordo com Moneyval (o comitê de combate à lavagem de dinheiro do Conselho da Europa), ele continua sendo uma das principais lavanderias de dinheiro sujo do mundo sob o comando do Papa Francisco. [7]

Contribuições do Tio Sam

Em 1947, o papa Pio XII estava mais do que disposto a permitir que o dinheiro sujo fluísse por seu banco. A administração Truman já havia canalizado mais de US $ 350 milhões para a Santa Sé para alívio econômico e pagamentos políticos. [8] O papa usou esses fundos para reativar o Partido Democrata Cristão (CDP), que havia sido desmantelado sob o reinado de Mussolini, e para estabelecer vinte mil células CDP em toda a Itália. [9] O Santo Padre também obteve US $ 30 milhões adicionais do pacote de ajuda de Truman para criar a Ação Católica, uma organização para gerar propaganda contra os comunistas. [10]

O cardeal americano Francis Spellman foi agora convidado a liderar a campanha patrocinada pelo Vaticano para incentivar os ítalo-americanos a instar seus parentes no velho país a votar contra Togliatti e os outros comunistas. “O destino da Itália depende das próximas eleições e do conflito entre comunismo e cristianismo, entre escravidão e liberdade”, escreveu Spellman em um panfleto distribuído nas paróquias católicas dos Estados Unidos. [11] O cardeal também organizou um bombardeio na Itália com mensagens de rádio de celebridades americanas como Frank Sinatra, Bing Crosby e Gary Cooper, instando o povo a se levantar em apoio aos democratas-cristãos, a fim de controlar o crescimento do comunismo. [12]

Cavalaria de Wild Bill

Pio XII logo percebeu que precisaria de mais milhões em dinheiro do tio Sam, já que 50% do povo italiano estava agora alinhado com o PCI. Ele não era estranho aos agentes de inteligência americanos. No final da guerra, o papa, juntamente com o monsenhor Giovanni Battista Montini, seu subsecretário de Estado, havia trabalhado com Dulles e a OSS para criar as linhas de raciocínio usadas para ajudar os nazistas a escapar da Europa, algo que ele via como um meio essencial para abordar a ameaça do comunismo. [13] Vários nazistas proeminentes, incluindo Walter Rauff – que havia liderado uma unidade de extermínio da SS pela Itália – ainda permaneciam abrigados na Cidade do Vaticano, prontos para participar da luta contra a Ameaça Vermelha. [14]

Em 1945, o papa realizou audiências privadas com Wild Bill Donovan para discutir a implementação de Gladio e o decorou como um cruzado contra o comunismo com a Grã-Cruz da Ordem de São Silvestre, a mais antiga e mais prestigiada cavalaria do papa. [ 15] Agora, o Santo Padre continuava determinado a fazer tudo em seu poder mundano para impedir que as forças sem Deus do comunismo controlassem Roma, a cidade santa e eterna – incluindo derramamento de sangue.

Dinheiro e doces

Nos meses que antecederam a eleição nacional de 1948, a CIA despejou US $ 65 milhões de seu dinheiro negro no Banco do Vaticano. [16] Grande parte do dinheiro foi entregue em grandes malas por membros do sindicato de Luciano, incluindo clérigos com afiliações à máfia siciliana. A recepção desse dinheiro pela Santa Sé foi realizada em estrita confidencialidade. Uma razão para o segredo, como o cardeal Francis Spellman de Nova York revelou mais tarde, foi que “grupos subversivos nos Estados Unidos entenderiam isso como uma pretensão muito eficaz de atacar o governo dos Estados Unidos por ter liberado dinheiro para o Vaticano, embora transportado indiretamente. ”[17]

A heroína, que permaneceu a fonte do dinheiro sujo, continuou a ser fornecida à multidão siciliana por Schiaparelli, a gigante farmacêutica italiana. Os medicamentos foram recebidos por uma cadeia de negócios criada em Palermo por Luciano e Don Calo. Essas empresas incluíam uma fábrica de doces, que produzia chocolates que não eram cheios de cerejas nem creme, mas de heroína 100% pura. Outra era uma empresa de exportação de frutas, de vital importância, uma vez que os remédios continuavam sendo enviados para Cuba em caixotes de laranjas, metade dos quais feitos de cera e recheados com heroína pura. [18]

Trafficante e suas equipes

Em Cuba, Santo Trafficante e sua família continuaram a misturar a heroína com açúcar antes de entregá-la aos distribuidores em Nova Orleans, Miami e Nova York. [19] A CIA estabeleceu rotas de drogas protegidas para esses portos, desenvolvendo laços estreitos com a Associação Internacional de Armadores de Caça contaminada pela máfia, que permaneceu sob o controle de Rosario “Saro” Mogavero. [20] O movimento do produto em todo o país foi facilitado por Jimmy Hoffa e outros líderes da Irmandade Internacional de Equipes que trabalham com empresas de transporte de propriedade da máfia, incluindo a Long Island Garment Trucking Company, administrada por John Ormento. [21]

Essa atividade não foi prejudicada por Harry Anslinger, chefe do Departamento de Narcóticos e Drogas Perigosas (BNDD), que observou o forte aumento no fornecimento de heroína nos bairros afro-americanos e o subsequente aumento do vício. Ao ouvir dos informantes que as drogas vinham de Luciano, ele enviou Charles Siragusa e outros agentes do BNDD para a Sicília, onde foram ordenados a vigiar todos os movimentos do gângster deportado. Não demorou muito para que os agentes pegassem Luciano com meia tonelada de heroína sendo preparada para o transporte para Havana. [22] Siragusa forçou uma prisão. Mas nenhuma ação foi tomada pelo governo italiano ou pelo Departamento de Estado dos EUA. O trabalho de Lucky na Sicília, o BNDD foi informado, mas continuava sendo uma questão de segurança nacional. [23]

Táticas eleitorais italianas

Nos meses finais de 1947, centenas de homens criados pela máfia começaram a chegar à Itália de Nova York, Chicago e Miami para ajudar Luciano e Don Calo a lidar com o problema comunista. O dinheiro sujo da CIA para a máfia foi pago pelo banco do Vaticano a partir de organizações eclesiásticas, incluindo a Ação Católica. [24] Dessa maneira, a Santa Sé estabeleceu uma aliança com a Máfia da Sicília, uma aliança que se fortaleceria ao longo das próximas três décadas.

A força da máfia foi agora desencadeada sobre o eleitorado italiano. Don Calo e um exército de bandidos, incluindo Giovanni Genovese, primo de Vito Genovese, queimaram onze filiais comunistas e fizeram quatro tentativas de assassinato contra o líder comunista Girolamo Li Causi. A quadrilha, comandada por Frank Coppola – que havia sido importada de Detroit por Angleton para trabalhar com o bandido siciliano Salvatore Giuliano – também abriu fogo contra uma multidão de trabalhadores que comemoravam o primeiro de maio em Portella della Ginestra, matando onze e ferindo cinquenta e sete. Os fundos para o massacre foram fornecidos por Wild Bill Donovan através de sua World Commerce Corporation. [25] Um dos principais organizadores trabalhistas da Itália, Placido Rizzotto, foi encontrado morto no fundo de um penhasco – pernas e braços acorrentados e uma bala na cabeça.

Esquadrão da Morte do Vaticano

Além desses compromissos, o monsenhor Don Giuseppe Bicchierai, agindo sob a autoridade papal, montou uma quadrilha de terroristas encarregada de espancar candidatos comunistas, esmagar reuniões políticas de esquerda e intimidar os eleitores. O dinheiro, as armas e os jipes dos ataques terroristas do monsenhor foram fornecidos pela CIA a partir dos excedentes estoques da Segunda Guerra Mundial. [27]

No dia das eleições, Don Calo e seus homens encheram as urnas e subornaram os eleitores com presentes em dinheiro recém-lavado com drogas, enquanto o papa Pius permaneceu dentro de seus aposentos “encurvado, quase fisicamente superado pelo peso de seu atual fardo, a próxima eleição”. [28] As táticas da multidão funcionaram, e os democratas-cristãos voltaram triunfantemente ao poder. Em suas memórias, William Colby, que mais tarde se tornaria o diretor da CIA, escreveu que os comunistas teriam ganho 60% dos votos sem a sabotagem da Agência. [29]

Outros bancos católicos

Um ano após a eleição, novos temores de retomada comunista na Itália surgiram da criação de Stalin do Comecon (Conselho de Assistência Econômica Mútua), a união econômica da União Soviética, Bulgária, Tchecoslováquia, Hungria, Polônia e Romênia para impor o domínio soviético dos estados menores da Europa Central. [30] Diante desse desenvolvimento, a CIA optou por estender o apoio ao CDP na Itália e ficar para trás em toda a Europa Ocidental, com bilhões de dólares em fundos secretos que só poderiam advir da expansão do comércio de drogas. Os fundos da CIA foram depositados por membros da família criminosa de Don Calo em bancos católicos em toda a Itália, incluindo o Banco Ambrosiano. Esses bancos, graças ao Tratado de Latrão (que estabeleceu a Cidade do Vaticano como um estado soberano), estavam a salvo do escrutínio do Banco da Itália e do departamento de tesouraria da Itália. Um capanga de Giuseppe Genco Russo, sucessor imediato de Don Calo como capo, agora observou: “Ele [Russo] está constantemente em contato com padres, os padres vão ao seu local e ele vai ao banco – que é sempre administrado pelos padres – o diretor do banco é um padre, o banco sempre foi assunto dos padres. ”[31]

A Mesa do Vaticano

Em 1949, o Papa Pio XII emitiu um decreto solene que excomungava não apenas os membros da Santa Mãe Igreja que se uniram ou favoreceram o partido comunista, mas também todos os católicos que leram, publicaram ou divulgaram qualquer material impresso que defendesse a ideologia comunista. [32] Em um memorando interno, a CIA forneceu a seguinte análise da ação do papa:

Com essa ação, as duas organizações mais poderosas que levam homens a agir em nome de uma doutrina são levadas a um conflito aberto e básico. As possíveis ramificações de longo alcance desse conflito não podem ser definidas de maneira fácil ou abrangente. O decreto será um fator muito poderoso na luta leste-oeste. Na Europa Oriental, isso implica uma luta até o fim amargo…. Em muitas outras áreas do mundo, o decreto exercerá uma pressão indireta poderosa e prolongada sobre políticas e ações. Governos comunistas e comunistas geralmente terão que aceitar a questão como agora se coloca. Embora os governos comunistas obviamente tivessem preferido continuar sua campanha anti-igreja no seu próprio ritmo, o poder de decisão agora foi tomado deles.

Com medo de que o decreto fosse insuficiente para esmagar as “forças da impiedade”, Pio XII continuou a estreitar seus laços com a CIA em um nó que ninguém conseguia desatar. O CDP continuou a receber mais de US $ 20 milhões em ajuda anual da CIA e, em troca, a CIA estabeleceu uma “mesa do Vaticano” sob a administração de Angleton. [34]

A Mesa do Vaticano revisou todos os relatórios de inteligência enviados à Santa Sé pelos núncios papais (diplomatas) que estavam atrás da Cortina de Ferro. Durante os primeiros anos da Guerra Fria, esse se tornou um dos únicos meios para a Agência penetrar no Bloco Oriental. [35] Estratégias entre a CIA e a Igreja foram elaboradas para minar os movimentos de esquerda em toda a Europa e América do Sul. Os assuntos de membros politicamente suspeitos da Cúria eram monitorados por infiltrados. As ações de padres progressistas, particularmente na América Latina, foram frustradas por fortes técnicas braçais. [36]

Os Cavaleiros de Malta

Angleton jurou lealdade à Santa Madre Igreja e tornou-se cavaleiro da Soberana Ordem Militar de Malta (SMOM), a lendária sociedade eclesiástica que remonta às Cruzadas. Outros espiões também foram cavaleiros, incluindo William Casey, William Colby e John McCone, que eram todos os futuros diretores da CIA; O general Vernon Walters, que se tornaria o vice-diretor da CIA sob George HW Bush; Albert Carone (mencionado no capítulo anterior); O agente especial da CIA William F. Buckley, que se tornaria o proprietário e editor da National Review; Frank Shakespeare, diretor dos meios de comunicação da CIA Radio Free Europe e Radio Liberty; General da OTAN e futuro secretário de estado Alexander Haig; e Wild Bill Donovan. [37] Um cavaleiro da SMOM de particular interesse foi o general Reinhard Gehlen, que havia servido como chefe de inteligência de Hitler para a frente oriental durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1945, Gehlen havia sido solicitado pelo OSS para montar unidades de guarda-costas compostas por companheiros nazistas para espionar a União Soviética. As unidades, conhecidas como Organização Gehlen, acabaram se transformando no Bundesnachrichtendienst ou BND sob o chanceler Konrad Adenauer em 1956. [38]

Muitos dos negócios entre a CIA e o Vaticano começaram a ser realizados nas reuniões anuais da SMOM em Roma e Nova York. O cardeal Francis Spellman presidiu o processo e sancionou estratégias futuras contra as forças comunistas na Europa em nome do papa. [39] Desde que o Vaticano desempenhou um papel tão essencial em Gladio, William Colby, chefe da estação da CIA em Roma, colocou microfones nos apartamentos papais para que a Agência pudesse monitorar as conversas do papa e as de sua equipe. Essa espionagem persistiria até 1984. [40]

O Vaticano tornou-se um dos principais depositários não apenas de fundos negros, mas também de documentos extremamente secretos, incluindo arquivos da CIA relacionados ao desenvolvimento de armas nucleares. Um desses documentos, nunca desclassificado, apareceu em 2006 durante o processo de descoberta em Alperin v. Vatican Bank , uma ação coletiva dos sobreviventes do Holocausto que alegou que o IOR era o repositório de ouro que lhes fora roubado pelo governo nazista croata [41]

A pedra de tropeço

O plano Helliwell havia sido implementado. A conexão da Máfia havia sido feita. A aliança com o Vaticano havia sido forjada. Mas havia um problema. Schiaparelli não conseguiu mais atender à crescente demanda da Agência por heroína. O gigante farmacêutico foi estendido até o limite, fornecendo remessas anuais de duzentos quilos aos laboratórios improvisados ​​de Luciano e Don Calo. [42] O sindicato siciliano e a CIA teriam que estabelecer sua própria rota de drogas para atender às necessidades atuais e também desenvolver novos mercados na Europa e nos Estados Unidos. Os sicilianos também teriam que garantir instalações adequadas e cientistas treinados para refinar o produto bruto. A heroína proveniente dos laboratórios Schiaparelli era 100% pura e exigia apenas separação e embalagem. Fontes de ópio precisavam ser encontradas; o produto cru teve que ser refinado para heroína n ° 4 purificada; e novos mercados nos Estados Unidos tiveram que ser desenvolvidos. Caso contrário, a guerra fria poderia ser perdida.

Extraído da Operação Gladio: A Aliança Profana entre o Vaticano, a CIA e a Máfia por Paul L. Williams. Copyright © 2015 por Paul L. Williams. Todos os direitos reservados.

Paul L. Williams é jornalista e autor de O Vaticano Exposto, Crescent Moon Rising, O Dia do Islã, a vingança de Osama e a Conexão Al-Qaeda. Ele escreveu artigos para o Wall Street Journal, USA Today, The Counter-Terrorist, NewsMax e National Review. Ele é o vencedor de três prêmios Keystone Press Awards de jornalismo. Ele também atuou como consultor do FBI e como professor adjunto de ciências humanas na Universidade de Scranton e na Universidade Wilkes.

Notas:

1. Thomas J. Reese, Inside the Vatican (Cambridge: Harvard University Press, 2002), pp. 18–22.
2. Eric Frattini, The Entity: Five Centuries of Secret Vatican Espionage, translated by Dick Cluster (New York: St. Martin’s Press, 2004), p. 302.
3. Jonathan Levy, Esq., “The Vatican Bank,” in Everything You Know Is Wrong (New York: The Disinformation Company, 2002), pp. 18–22.
4. Nicole Winfield, “Vatican Posts $19 Million Deficit, Worst in Years,” Huffington Post, July 5, 2012, http://www.huffingtonpost.com/huff-wires/20120705/eu-vatican-finances/.
5. Malachi Martin, Rich Church, Poor Church (New York: G. P. Putnam’s Sons, 1984), pp. 76–77.
6. Ibid.
7. David Gibson, “Vatican Bank Needs More Transparency, Regulators Say,” Huffington Post, July 18, 2012, http://www.huffingtonpost.com/2012/07/18/vatican-bank-needs-more-transparency-regulators-say_n_1684198.html (accessed May 20, 2014).
8. John Cooney, The American Pope: The Life and Times of Francis Cardinal Spellman (New York: Times Books, 1984), p. 159.
9. John Cornwell, Hitler’s Pope: The Secret History of Pius XII (New York: Viking, 1999), p. 329.
10. Cooney, American Pope, p. 157.
11. Ibid.
12. Ibid., p. 161.
13. Frederic Laurent, L’Orchestre Noir (Paris: Editions Stock, 1978), p. 29.
14. Alexander Cockburn and Jeffrey St. Clair, Whiteout: The CIA, Drugs, and the Press (New York: Verso, 1998), p. 138.
15. Ibid.
16. Eustace Mullins, “The CIA,” chapter 5 in The World Order: A Study in the Hegemony of Parasitism, 1984, Modern History Project, http://modernhistoryproject.org/mhp?Article=WorldOrder&C=5.0 (accessed May 20, 2014). See also, R. Joseph, America Betrayed (San Jose, California: University Press, 2003), p. 176.
17. Cardinal Spellman’s memo to General George Marshall, undated. See, Cooney, American Pope, p. 161.
18. Cockburn and St. Clair, Whiteout, p. 130.
19. Ibid., p. 131.
20. Douglas Valentine, The Strength of the Wolf: The Secret History of America’s War on Drugs (New York: Verso, 2006), pp. 139–40.
21. Ibid., p. 75.
22. Ibid., p. 140.
23. Ibid.
24. Bradley Ayers, p. 82.
25. Peter Dale Scott, “Deep Events and the CIA’s Global Drug Connection,” Global Research, September 8, 2008, http://www.globalresearch.ca/deep-events-and-the-cia-s-global-drug-connection/10095 (accessed May 20, 2014).
26. Cockburn and St. Clair, Whiteout, p. 137.
27. Ibid., p. 138.
28. Ibid., p. 137.
29. Ibid., p. 138.
30. Federal Document, “Appendix B: The Council for Mutual Economic Assistance,” Washington, DC: The Library of Congress; Federal Research Division, 1987, http://memory.loc.gov/frd/cs/germany_east/gx_appnb.html.
31. Pino Arlacchi, Mafia Business: The Mafia Ethic and the Spirit of Capitalism (New York: Oxford University Press, 1988), p. 40.
32. Pius XII, “Excommunication of Communists,” Decree of the Holy Office, July 1, 1949, http://www.geocities.ws/caleb1x/documents/communism.html.
33. CIA memo, in Cooney, American Pope, p. 167–68.
34. Ronald Kessler, “James Angleton’s Dangerous CIA Legacy,” NewsMax, March 28, 2012, http://www.newsmax.com/RonaldKessler/James-Angleton-CIA-spies/2012/03/28/id/434109/ (accessed May 19, 2014).
35. Martin A. Lee, “Their Will Be Done,” Mother Jones, July/August 1983, http://www.motherjones.com/politics/1983/07/their-will-be-done (accessed May 20, 2014).
36. Ibid.
37. David Guyatt, “Holy Smoke and Mirrors,” Nexus Magazine, August–September 2000, http://www.bibliotecapleyades.net/vatican/esp_vatican16.htm (accessed May 20, 2014).
38. Mary Ellen Reese, General Reinhard Gehlen: The CIA Connection (Fairfax, VA: George Mason University Press, 1990), p. 59–92.
39. Lee, “Their Will Be Done.”
40. Philip Willan, Puppetmasters: The Political Use of Terror in Italy (London: Constable, 1991), p. 54.
41. Greg Szymanski, “Vatican in Possession of Top Secret CIA Documents about Nuclear Weapons, According to Discovery Made Recently in Northern California Federal Court involving Vatican Bank,” Arctic Beacon, April 25, 2006, http://www.arcticbeacon.com/articles/25-Apr-2006.html.
42. Alfred W. McCoy, The Politics of Heroin: CIA Complicity in the Global Drug Trade (Chicago: Lawrence Hill Books, 2003), p. 27.