OS MILITARES DOS EUA ESTÃO SE PREPARANDO PARA GUERRA NO ESPAÇO

Amigos e alunos,

Compartilhamos uma matéria interessante que mostra como o SGS trabalha. Esta matéria, especialmente, trata-se de uma farsa para manter o controle e o poder sobre a humanidade e amplificar o poder tecnológico dos implantes sobre os seres humanos e o controle climático através da soberania sobre os satélites e outras tecnologias espaciais, para coibir ainda mais a liberdade para a humanidade que sustenta a economia mundial.

Leitura recomendada: A FARSA DO SGS E DOS GOVERNOS NO ENVOLVIMENTO COM ALIENÍGENAS

Rodrigo Romo


Matéria traduzida de Newsweek – fonte original em inglês: http://www.newsweek.com/us-preparing-war-space-laws-drafted-719438

Este artigo foi publicado originalmente em The Conversation. Leia o artigo original .

Uma guerra no espaço exterior soa como ficção científica, mas é algo que precisamos considerar. Seu impacto em todos na Terra e suas implicações para a futura exploração espacial humana seria devastador.

Agora, há leis relevantes para uma possível guerra no espaço, mas não está claro exatamente como elas poderão ser aplicadas.

Nós e nossos colegas de todo o mundo – incluindo especialistas da Austrália, Canadá, Reino Unido, Rússia e China – estão realizando um projeto plurianual para fornecer um guia definitivo sobre como a lei aplica-se aos usos militares do espaço exterior.

O objetivo é desenvolver um Manual sobre Direito Internacional Aplicável aos Usos Militares do Espaço Exterior (MILAMOS) que abranja tempos de tensão e hostilidade absoluta. O objetivo final é ajudar a criar transparência e confiança entre estados espaciais.

Isso deve reduzir a possibilidade de uma guerra no espaço, ou se isso acontecer, reduzir o impacto sobre a infraestrutura espacial em que todos nós confiamos.

Os satélites em que confiamos

11_22_satelliteConcepção do artista de um satélite GPS na órbita terrestre. Fonte NASA

Confiamos em sinais de GPS para muitas coisas, incluindo navegação, comunicação, transações bancárias, agricultura, viagens e a própria internet. Estima-se que seis a sete por cento do PIB em países ocidentais depende de navegação por satélite.

Os satélites de comunicação são utilizados não apenas para transmissão direta de televisão, mas também para permitir muitas redes terrestres. Em áreas remotas do mundo, eles podem ser o único meio de comunicação.

No futuro próximo, os satélites de comunicação poderão fornecer ao mundo inteiro uma internet de banda larga.

Os satélites nos ajudam a obter previsões meteorológicas e melhorar a produção agrícola. Eles também nos ajudam a planejar o gerenciamento em caso de desastres, encontrar e explorar recursos naturais, monitorar a saúde do meio ambiente e muitas outras aplicações.

“Esperar” a guerra no espaço

11_22_Heather WilsonHeather Wilson disse: “Devemos esperar que a guerra, de qualquer tipo, se prolongue no espaço em qualquer conflito futuro”. MARK WILSON / GETTY IMAGES

No contexto militar também, os satélites tornaram-se essenciais. Em junho deste ano, a secretária norte-americana da Força Aérea, Heather Wilson, disse que uma futura guerra no espaço é provável e os EUA estão investindo fortemente para manter seu domínio militar no espaço. Ela comentou:

Devemos esperar que a guerra, de qualquer tipo, se extenderá para o espaço em qualquer conflito futuro, e temos que mudar a forma como pensamos e nos preparamos para essa eventualidade.

A primeira Guerra do Golfo, em 1991, foi chamada de primeira guerra espacial, embora na verdade não tenha sido travada no espaço. Em vez disso, as forças dos EUA e da coalizão dependeram fortemente do GPS e de outras tecnologias de satélites para conduzir esse conflito.

Desde então, os recursos espaciais permitiram uma capacidade ainda maior para as forças terrestres, marítimas e aéreas. Dado a dupla utilização de muitos satélites, um conflito armado no espaço poderia ser catastrófico para a vida moderna.

Tratado sobre algumas armas no espaço

Existem apenas cinco tratados globais específicos para o espaço. O principal deles é o Tratado do Espaço Exterior de 1967, mas apenas uma de suas disposições (artigo IV) trata diretamente da atividade militar – proíbe a colocação de armas de destruição em massa no espaço.

Outros meios e métodos de destruir ou interferir com um satélite não são proibidos , embora outras áreas do direito, como as leis do conflito armado, regulam seu uso.

Isso inclui mísseis anti-satélite, armas de energia direcionadas (incluindo lasers), guerra eletrônica, ciber guerra e tecnologia de dupla utilização, como os satélites de manutenção em órbita (“mecânica”).

Um esforço combinado

10_12_milky_way_sideA via Láctea.ESO / S. BRUNIER

O projeto MILAMOS é liderado por três universidades: Adelaide na Austrália, McGill no Canadá e Exeter no Reino Unido. Recebeu algum financiamento dos governos australiano e canadense, bem como de doadores privados.

Baseia-se na experiência do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, da União dos Cientistas Interessados e dos principais estados do espaço, principalmente os EUA e a Rússia, mas também a China e outros países.

Eles participam de uma maneira estritamente pessoal (mas não representativa) para oferecer uma consideração autêntica do que é a lei – e não para negociar o que os Estados gostariam que a lei fosse.

Mesmo assim, refletindo uma verdadeira posição de consenso sobre a lei, apesar das posições pessoais fortemente mantidas por especialistas individuais, pode ser um desafio. Mas é isso que o projeto pretende alcançar em nove workshops ao longo de três anos.

Até agora, as reuniões foram realizadas em MontrealAdelaideNova Deli e Colorado Springs nos EUA.

Lembre-se da lacuna legal

A alternativa é que os Estados negociem formalmente novos instrumentos internacionais para esclarecer ou ampliar a lei. Infelizmente, as recentes tentativas de fazê-lo não encontraram grande sucesso. Isso cria uma lacuna legal que este manual procura preencher.

A este respeito, é semelhante a outros manuais elaborados nos últimos anos sobre a lei aplicável à guerra em outros domínios: marítimo (Manual San Remo), ar e míssil (Manual de Harvard) e cibernético (Manual de Tallinn).

Mesmo que esses manuais não sejam formalmente aprovados pelos Estados, eles são uma referência essencial para aqueles que trabalham no campo. Isso inclui profissionais militares, advogados governamentais e conselheiros de políticas, a mídia, grupos de advocacia pública e outras organizações não governamentais.

A publicação final do manual é esperada em 2020. Paradoxalmente, os contribuidores MILAMOS esperam sinceramente que o manual só permaneça na prateleira e nunca seja usado.

Dale Stephens  é professor de direito na  Universidade de Adelaide e Duncan Blake é um candidato a doutorado em direito e usos militares do espaço exterior na  Universidade de Adelaide , na Austrália.